sexta-feira, 31 de julho de 2009

The Man Who Crashed the World

A história do Mestre do Universo que levou ao colapso da A.I.G.

Six months ago, I received an odd phone call from a man named Jake DeSantis at A.I.G. Financial Products—the infamous unit of the doomed insurance company, staffed by expensively educated, highly paid traders, whose financial ineptitude is widely suspected of costing the U.S. taxpayer $182.5 billion and counting. At the time A.I.G. F.P.’s losses were reported, it became known that a handful of traders in this curious unit had sold trillions of dollars of credit-default swaps (essentially unregulated insurance policies) on piles of U.S. subprime mortgages, but its employees hadn’t yet become the leading examples of Wall Street greed. And so this was before Jake DeSantis and his colleagues found themselves suburban-Connecticut outcasts, before their first death threats, before the House of Representatives passed a bill because of them (taxing 90 percent of their large bonuses), before New York attorney general Andrew Cuomo announced he was going after their paychecks, and before Iowa senator Charles Grassley said that A.I.G.’s leaders should follow the Japanese example and “either do one of two things, resign or go commit suicide.”

DeSantis turned out to be a friend of a friend. He’d called because he didn’t know anyone else “in the media.” As a type he was instantly recognizable: a “quant,” a numbers guy who was allowed to take financial risks because of his superior math skills, but who had no taste for company politics or public exposure. He’d grown up in the Midwest, the son of schoolteachers, and discovered Wall Street as a scholarship student at M.I.T. The previous seven years he’d spent running A.I.G. F.P.’s profitable stock-market-related trades. He wasn’t looking for me to write about him or about A.I.G. F.P. He just wanted to know why the public perception of what had happened inside his unit, and the larger company, was so different from the private perception of the people inside it, who actually knew what had happened. The idea that the employees of A.I.G. F.P. had conspired to maximize their short-term gains at the company’s longer-term expense, for instance. He and the other traders had been required to defer about half of their pay for years, and intertwine their long-term interests with their firm’s. The people who lost the most when A.I.G. F.P. went down were the employees of A.I.G. F.P.: DeSantis himself had just watched more than half of what he’d made over the previous nine years vanish. The incentive system at A.I.G. F.P., created in the mid-1990s, wasn’t the short-term-oriented racket that helped doom the Wall Street investment bank as we knew it. It was the very system that U.S. Treasury secretary Timothy Geithner, among others, had proposed as a solution to the problem of Wall Street pay.

Para ler o resto do artigo clique aqui

quinta-feira, 30 de julho de 2009

The Stakeholder Society

Interessante artigo dos editores da America, influente revista publicada pelos jesuitas americanos, sobre a última encíclica do Bento XVI.

Gratuity is a genteel term for a tip for services rendered by a waiter, taxi driver or bellhop. Of course, it also refers fundamentally to any gracious act that is not strictly expected. In times past it referred to the beneficence of kings. In its most exalted sense, it denotes the transcendent goodness of God to us. Perhaps the most remarkable proposition in Pope Benedict XVI’s encyclical letter Caritas in Veritate, therefore, is the controversial assertion that gratuity—or as the official English translation frequently reads, “gratuitousness”—is essential to economic life. Can a gesture of politeness or a supernatural relationship have anything to do with everyday commerce? What has Jerusalem to do with Wall Street? Is it not true, as the late philosopher-theologian Paul Ricoeur wrote about the Gospel, that “the logic of generosity clashes head on with the logic of equivalence which orders our everyday exchanges, our commerce and our penal law”?

Over the centuries, the reduction of economics to pure commercial exchange has resulted in the fraying of the social bonds that both made the real economy run and compensated for its worse excesses. Now, in a flat, globalized world with egalitarian aspirations for material success everywhere, the system is gravely troubled. Economics, moreover, as the pope points out, has come to dominate all other sectors of life—the state, the economy and civil society—so that few people are any longer concerned about the well-being of others; and, in practice, most people presume they need be concerned exclusively with pursuing their private accumulation of wealth.

The metaphor underlying the term “gratuity” is that of gift-giving; and Pope Benedict believes the neglect of gratuity, of a generous readiness to give for the good of others, is a root cause of the current world economic crisis. “Marked by grave deviations and failures,” he writes, “today’s international economic scene requires a profoundly new way of understanding business enterprise.” He elaborates: “The great challenge before us” in the unfolding of globalization and in the current economic crisis is not only the need for “the principles of social ethics, like transparency, honesty and responsibility,” but also the need “that in commercial relationships the principle of gratuitousness and the logic of gift as the expression of fraternity can and must find their place within normal economic activity.”

This generosity has a public dimension; it is by no means a private virtue. Rather, it is akin to what the ancients called magnanimity, a greatness of soul that acts in the understanding that one’s deeds—in this case one’s business transactions—affect the whole of society. Thus, the primary meaning of the economy of gratuity for business seems to be that businesses function within a “stakeholder society.” “Business management,” the pope writes, “cannot concern itself only with the interest of proprietors, but must also assume responsibility for all the other stakeholders who contribute to the life of the business: the workers, the clients, the suppliers...the community of reference.” The notion of a “stakeholder society” is already a familiar one to business ethicists, management consultants and political philosophers. It is an idea whose day, the pope believes, will come.

Aware that critics may regard this ethic as utopian, Benedict points to businesses that already follow this model. “Alongside profit-oriented private enterprises, there must be room for commercial entities based on mutualist principles and pursuing social ends....” He expresses the hope that from the interplay of such groups with traditional commercial sectors, new hybrid forms of commercial behavior will continue to emerge and serve to “civilize” the economy. Following the publication of the encyclical, the Catholic lay movement Focolare reminded its friends that Chiara Lubich, its foundress, had promoted this kind of enterprise. Today the movement sponsors more than 700 such for-profit companies based on an ethic of gratuity and communion.

For Benedict, however, it is not enough that there be a special socio-economic sector operating on this model. All businesses must conduct themselves as members of the stakeholder society. Only 30 years ago the principle that business has moral ties to the wider society was made popular by the investor responsibility movement, and it was for a time affirmed by many corporations. Unfortunately, that realization was eclipsed in the last generation by an Ayn Rand-style of individualism and the prominence of high finance, the branch of business most abstracted from real people and fundamental human interests, as a leading sector of the economy. In the wake of the global financial crisis, the relevance of the stakeholder conception of business should be clearer than ever.

Fonte: America

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Política fiscal

A midia se diverte com o pior resultado fiscal do atual governo, mas ainda não colocou na rua o bloco da turma de sempre. É um bom sinal. O resultado fiscal era esperado e, naturalmente, indica um limite para o uso desse instrumento. Contudo, é bom lembrar que o resultado da política fiscal tem sido bom e que a obtenção da meta de superavit primário ainda não está comprometida, muito pelo contrário... Tudo indica que o segundo semestre será muito melhor..

terça-feira, 28 de julho de 2009


A recessão, segundo os bancos Bradesco e Itaú Unibanco, terminou em maio. É possível que isto realmente tenha acontecido. Que a economia está em recuperação é fato conhecido, mas era um processo lento e por isto mesmo é uma ótima surpresa, mas é melhor esperar a confirmação com os dados do IBGE. Uma outra boa noticia é estabilização do comércio na Asia.

Já o cambio volta ao centro do debate: a recente apreciação do real não é, obviamente, desejável, mas ao que parece de difícil solução. A intervenção do Bacen no mercado - defendida por alguns - sairia caro e dificilmente resolveria o problema. O que fazer?

segunda-feira, 27 de julho de 2009

The World Finance Crisis & the American Mission

Interessante resenha - escrita pelo Skidelsky - do livro do Martin Wolf, "Fixing Global Finance" .

By common consent, we have been living through the greatest economic downturn since World War II. It originated, as we all know, in a collapse of the banking system, and the first attempts to understand the resulting economic crisis focused on the reasons for bank failures. The banks, it was said, had failed to "manage" the new "risks" posed by financial innovation. Alan Greenspan's statement that the cause of the crisis was the "underpricing of risk worldwide" was the most succinct expression of this view.[1] Particular attention was paid to the role of the American subprime mortgage market as the source of the so-called "toxic" assets that had come to dominate bank balance sheets. Early remedies for the crisis concentrated on bailing out or refinancing the banks, so that they could start lending again. These were followed by "stimulus packages," both monetary and fiscal, to revive the real economy.

Now that we are—or may be—over the worst of the crisis, attention has partly switched to trying to understand its deeper causes. The two most popular explanations to have emerged are the "money glut" and the "saving glut" theories. The first blames the crisis on loose fiscal and monetary policy, which enabled Americans to live beyond their means. In particular, Greenspan, chairman of the Federal Reserve in the critical years until his retirement in early 2006, used low interest rates to keep money too cheap for too long, thus allowing the housing bubble to get pumped up till it burst.

Para ler o resto da resenha clique aqui

domingo, 26 de julho de 2009

sábado, 25 de julho de 2009

Quase, Laura Riding

Obscuridade quase expressa
Que nunca foi ainda mas sempre
Era para ser a próxima e a próxima
Quando o lapso do ontem no amanhã
Devia ser arrumado pelo menos até já,
Pelo menos até já, até ontem ─
Caos quase reconquistado
No qual a verdade, como se uma vez mais,
Ainda não tivesse caído ou se erguido ─
O que há de novo? Qual é?
Você que nunca foi ainda
Ou eu que nunca sou até?

tradução: Rodrigo Garcia Lopes

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Luz no fim do tunel...

Os números sobre o mercado trabalho metropolitano são bons e confirmam o nosso diagnóstico inicial sobre a recuperação em curso da economia brasileira. É, naturalmente, uma boa noticia, mas a recuperação é ainda pequena e deverá continuar neste mesmo ritmo por um período de tempo razoável.

Uma outra noticia auspiciosa encontra-se no artigo do Mendonça de Barros sobre a evolução de títulos de crédito de responsabilidade do Tesouro em comparação com o setor privado. Crowding out, parece ser coisa do passado.

quinta-feira, 23 de julho de 2009


Alexandre "eram os Deuses astronautas", acertadamente, recorda a importância do mercado argentino para o setor de manufaturas...

Na minha última coluna, fiz uma breve menção à queda das exportações brasileiras para a Argentina como um dos fatores que pioraram o desempenho da indústria nacional a partir do final do ano passado. Parece inusitado, pois, mesmo sendo a Argentina um dos principais parceiros comerciais do país, esse mercado representou pouco menos de 9% do total exportado pelo Brasil no ano passado. No entanto, um exame mais detalhado mostra resultados interessantes.
Com efeito, se podemos descrever o Brasil, quando olhamos o conjunto de nossas vendas externas, essencialmente como um exportador de commodities, no caso do comércio com a Argentina em particular (e América Latina em geral) essa descrição certamente não se aplica. Enquanto manufaturas representam, em média, algo como 45% das exportações brasileiras, no caso das exportações para a Argentina elas representam mais de 90% do total, correspondendo a quase 20% das exportações desses produtos.
E não falamos aqui de qualquer produto manufaturado. Pela nossa classificação de comércio exterior, esse rótulo se aplica a produtos que vão de suco de laranja a aviões. Em se tratando das exportações para a Argentina, porém, o predomínio é de produtos como automóveis, celulares, autopeças e máquinas, sofisticados e com cadeias de produção longas e complexas, em contraste acentuado com as exportações brasileiras em geral. Apenas no que se refere a automóveis, mais de metade do valor exportado em 2008 foi destinada a nossos vizinhos.
Isso dito, entre o pico registrado em setembro de 2008 e junho deste ano, as exportações para a Argentina caíram 45%, fenômeno que, à luz dos dados citados, sugere um efeito fortemente negativo sobre a atividade. Usando mais uma vez o exemplo dos automóveis, observamos queda de 44% no valor exportado para aquele país entre janeiro e maio relativamente ao mesmo período do ano passado, o que explica quase dois terços da redução das exportações de automóveis nesse intervalo.
Há quem atribua esse desempenho fortemente negativo ao protecionismo argentino ou mesmo a uma suposta invasão de produtos chineses naquele mercado, mas acredito que a mera inspeção do gráfico sugere uma explicação mais simples e, espero, mais convincente.
Como é mostrado, o comportamento das exportações brasileiras para a Argentina segue muito de perto o desempenho das importações totais argentinas, ou seja, a queda de nossas exportações reflete essencialmente o colapso das importações platinas, que, entre o pico de julho do ano passado e maio deste ano, caíram nada menos que 55%.
Por outro lado, assim como no Brasil, as importações argentinas variam quase que integralmente devido ao desempenho da demanda doméstica. O colapso das importações (e de nossas exportações), portanto, nada mais é que o espelho de uma queda colossal da demanda argentina, sugerindo que a recuperação da indústria brasileira passa também pela reanimação da economia vizinha. Nesse meio-tempo, o negócio é tocar um tango argentino.

Fonte: FSP

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Após a tempestade, vem a dura subida

Mais um artigo do Martin Wolf sobre a crise econômica mundial. Como sempre, leitura obrigatória.

A economia mundial está saindo da crise? O mundo aprendeu as lições certas? A resposta para ambas as perguntas é: até certo ponto. Nós fizemos algumas coisas acertadas e aprendemos algumas das lições certas. Mas nem fizemos o suficiente e nem aprendemos o suficiente. A recuperação será lenta e dolorosa, com risco substancial de recaídas.

Mas vamos começar pelas boas notícias. A crise financeira, estreitamente definida, acabou: os mercados de ações estão em alta; a liquidez está retornando aos mercados; os bancos estão conseguindo aumentar seu capital; e os spreads de risco extremo dos mercados financeiros do ano passado desapareceram. Quando tratado com firmeza, o pânico acaba. Neste caso, o compromisso das autoridades com o resgate de um sistema financeiro falido foi sem precedente. E teve os resultados desejados.

O pior da crise econômica também está passando. Como notou a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (Ocde) em seu mais recente Panorama Econômico, "pela primeira vez desde junho de 2007, as projeções (...) foram revisadas para cima para a área da Ocde como um todo, em comparação à edição anterior". De forma semelhante, o Fundo Monetário Internacional (FMI) declara em sua mais recente atualização do Panorama Econômico Mundial que "o crescimento econômico durante 2009-2010 agora está projetado para cerca de meio ponto percentual acima da previsão do FMI em abril, chegando a 2,5% em 2010".

Essa virada nas previsões é um indicador da recuperação que está para ocorrer. Ela aparece claramente nas previsões de consenso mensais sucessivas para 2010. A melhoria nessas previsões pode ser vista no Estados Unidos, Japão e Reino Unido, mas de forma preocupante não na zona do euro. As previsões para a China mostram grande resistência. A confiança na Índia também está crescendo.

Mas devemos colocar estas notícias, por mais bem-vindas que sejam, em contexto. O pior da crise financeira pode ter ficado para trás, mas o sistema financeiro continua subcapitalizado e carregando um fardo ainda desconhecido de ativos duvidosos. Ele também está longe de ser um sistema financeiro realmente "privado". Pelo contrário, ele está escorado por um imenso apoio explícito e implícito dos contribuintes. A probabilidade de prejuízo à frente é próxima de 100%. Mas a atual esperança é que a estrada para qualquer prejuízo passe pela recuperação.

Igualmente, a "recuperação" econômica esperada não parecerá muito com uma. As mais recentes previsões de consenso para o crescimento nos países de alta renda para 2010 estão bem abaixo do potencial. Mas isso também ocorre em um momento em que as estimativas reconhecidamente incertas de "hiato do produto" (ou excesso de capacidade) estão em níveis extremos. Para 2009, a Ocde as estima em 4,9% do produto interno bruto potencial nos Estados Unidos, 5,4% no Reino Unido, 5,5% na zona do euro e 6,1% no Japão. Dadas as previsões de crescimento modesto, o excesso de capacidade será maior no final de 2010 do que no final de 2009. Os riscos de inflação -ou melhor, os riscos de deflação- são claros. Assim como as chances de saltos ainda maiores no desemprego. De acordo com isso, a "taxa de equilíbrio" da inflação implícita nos títulos convencionais do Tesouro americano e nos indexados pela inflação caiu de novo, para próximo de 1,5%. A histeria de junho com o aumento do rendimento dos títulos convencionais parece absurda.

Por trás do excesso de capacidade e dos enormes aumentos nos déficits fiscais está o desaparecimento do consumidor que gasta muito, principalmente nos Estados Unidos. Isso é sugerido pela grande mudança no equilíbrio entre a renda do setor privado e os gastos implícita nas previsões da Ocde para conta corrente e balanço fiscal. Em 2007, o setor privado americano gastou 2,4% do PIB a mais do que a renda. Em 2009, sugere a Ocde, ele gastará 7,9% do PIB a menos do que a renda. Esse deslocamento enorme para a prudência -há muito pedido pelos críticos e tão pouco apreciado agora que chegou- explica em grande parte a mudança para déficits fiscais: entre 2007 e 2009, uma mudança de 10,3% do PIB no balanço do setor privado entre renda e gastos foi compensada por um agravamento fiscal de 7,3% do PIB e 3% do PIB de melhoria no déficit em conta corrente. Mesmo como está, esta compensação fiscal não impediu uma recessão profunda.

A prudência do setor privado provavelmente perdurará em um mundo pós-bolha caracterizado por montanhas de dívida. No último trimestre de 2008 e no primeiro trimestre de 2009, a tomada de empréstimo pelos lares americanos foi modestamente negativa. Mas no final do primeiro trimestre de 2009, a relação entre dívida bruta dos lares e PIB era de meros 2% do PIB, mais baixa do que no final de 2007. A desalavancagem é um processo doloroso: ela mal começou.

Se, como é provável, o setor privado permanecer prudente, o setor público permanecerá gastador. Além disso, enquanto durar este período de recuo, o risco não será de inflação, mas sim de deflação. A lição do Japão é de que a gastança fiscal e a pressão deflacionária podem durar mais do que qualquer um imagina. Quanto mais ela durar, mais difícil e mais inflacionária poderá ser a saída.

Aqueles que esperam um retorno rápido aos negócios de costume de 2006 estão fantasiando. Uma recuperação lenta e difícil, dominada pela desalavancagem e riscos deflacionários, é a perspectiva mais provável. Os déficits fiscais permanecerão imensos por anos. As alternativas -liquidação do excesso de dívida por meio de um aumento da inflação ou falência em massa- não serão permitidas. O alto desemprego persistente e um baixo crescimento poderão até mesmo ameaçar a própria globalização.

A alta dependência de uma expansão monetária imensa e déficits fiscais nos países que antes consumiam muito será insustentável no final. Como já argumentei, quanto mais forte for o crescimento da demanda nos países com superávit, em relação ao PIB potencial, e mais poderoso for reequilíbrio global, mais saudável será a recuperação global. Isso vai acontecer? Eu duvido.

Se a saída para uma recuperação vigorosa ainda parece tão incerta, o mundo ao menos aprendeu as lições certas para a futura gestão de uma economia mundial? Eu acredito que não. O setor financeiro que está emergindo da crise está ainda mais tomado por risco moral do que aquele que entrou nela. Suas fraquezas fundamentais ainda não foram tratadas. Dúvidas também permanecem sobre o funcionamento do sistema monetário internacional baseado no dólar, os alvos corretos para a política monetária, a gestão dos fluxos globais de capital, a vulnerabilidade das economias emergentes, como demonstrado na Europa central e oriental, e, também, a fragilidade financeira demonstrada com tanta frequência e tão dolorosamente ao longo das últimas três décadas. Por mais difícil que possa ser a recuperação, nós não devemos ignorar essas questões. Após minhas férias de verão, eu espero abordá-las em setembro

terça-feira, 21 de julho de 2009

Olhando pra frente...

Bresser, um eterno otimista, anda desconfiado dos elógios que a economia brasileira vem recebendo do exterior. Motivos não faltam. Mexico e a Argentina, por ex, são bons exemplos de modelo de sucesso, pouco antes do debacle. Este não me parece ser o caso do Brasil. A economia brasileira está realmente melhor que a maioria dos outros países, inclusive os outros brics. Recordar que no passados eles apresentaram uma performance melhor não leva a lugar nenhum: afinal não se pode mudar o passado, alem de ser uma comparação que não leva em consideração as diferenças importantes entre a história econômica brasileira e a desses paises, isto para não mencionar outros aspectos em uma análise da "economia política" deles.

O ICEI da CNI de julho parece confirmar a posição defendida, já há algum tempo, por esse blog: o pior já passou.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

How to be a Conservative-Liberal-Socialist

Filosofo e historiador ,Leszek Kolakowski( 23.10.1927 – 17.07.2009), acertou em cheio ao definir o marxismo como "a maior fantasia do Seculo XX" e ao afirmar ser o Stalinismo seu resultado lógico. No grande bananão, principalmente nos dois lados do Rio Pinheiros, a fantasia ainda faz muito sucesso. Para eles(as) o muro ainda não caiu e continuamos nos anos 60. É uma grande prova da miséria intelectual e da vida na torre de marfim invertida...

Motto: "Please step forward to the rear!" This is an approximate translation of a request I once heard on a tram-car in Warsaw. I propose it as a slogan for the mighty International that will never exist.

A Conservative Believes:

1. That in human life there never have been and never will be improvements that are not paid for with deteriorations and evils; thus, in considering each project of reform and amelioration, its price has to be assessed. Put another way, innumerable evils are compatible (i.e. we can suffer them comprehensively and simultaneously); but many goods limit or cancel each other, and therefore we will never enjoy them fully at the same time. A society in which there is no equality and no liberty of any kind is perfectly possible, yet a social order combining total equality and freedom is not. The same applies to the compatibility of planning and the principle of autonomy, to security and technical progress. Put yet another way, there is no happy ending in human history.

2. That we do not know the extent to which various traditional forms of social life--families, rituals, nations, religious communities--are indispensable if life in a society is to be tolerable or even possible. There are no grounds for believing that when we destroy these forms, or brand them as irrational, we increase the chance of happiness, peace, security, or freedom. We have no certain knowledge of what might occur if, for example, the monogamous family was abrogated, or if the time-honored custom of burying the dead were to give way to the rational recycling of corpses for industrial purposes. But we would do well to expect the worst.

3. That the idee fixe of the Enlightenment--that envy, vanity, greed, and aggression are all caused by the deficiencies of social institutions and that they will be swept away once these institutions are reformed-- is not only utterly incredible and contrary to all experience, but is highly dangerous. How on earth did all these institutions arise if they were so contrary to the true nature of man? To hope that we can institutionalize brotherhood, love, and altruism is already to have a reliable blueprint for despotism.

A Liberal Believes:

1. That the ancient idea that the purpose of the State is security still remains valid. It remains valid even if the notion of "security" is expanded to include not only the protection of persons and property by means of the law, but also various provisions of insurance: that people should not starve if they are jobless; that the poor should not be condemned to die through lack of medical help; that children should have free access to education--all these are also part of security. Yet security should never be confused with liberty. The State does not guarantee freedom by action and by regulating various areas of life, but by doing nothing. In fact security can be expanded only at the expense of liberty. In any event, to make people happy is not the function of the State.

2. That human communities are threatened not only by stagnation but also by degradation when they are so organized that there is no longer room for individual initiative and inventiveness. The collective suicide of mankind is conceivable, but a permanent human ant-heap is not, for the simple reason that we are not ants.

3. That it is highly improbable that a society in which all forms of competitiveness have been done away with would continue to have the necessary stimuli for creativity and progress. More equaliity is not an end in itself, but only a means. In other words, there is no point to the struggle for more equality if it results only in the leveling down off those who are better off, and not in the raising up of the underprivileged. Perfect equality is a self-defeating ideal.

A Socialist Believes:

1. That societies in which the pursuit of profit is the sole regulator of the productive system are threatened with as grievous--perhaps more grievous--catastrophes as are societies in which the profit motive has been entirely eliminated from the production-regulating forces. There are good reasons why freedom of economic activity should be limited for the sake of security, and why money should not automatically produce more money. But the limitation of freedom should be called precisely that, and should not be called a higher form of freedom.

2. That it is absurd and hypocritical to conclude that, simply because a perfect, conflictless society is impossible, every existing form of inequality is inevitable and all ways of profit-making justified. The kind of conservative anthropological pessimism which led to the astonishing belief that a progressive income tax was an inhuman abomination is just as suspect as the kind of historical optimism on which the Gulag Archipelago was based.

3. That the tendency to subject the economy to important social controls should be encouraged, even though the price to be paid is an increase in bureaucracy. Such controls, however, must be exercised within representative democracy. Thus it is essential to plan institutions that counteract the menace to freedom which is produced by the growth of these very controls.

So far as I can see, this set of regulative ideas is not self-contradictory. And therefore it is possible to be a conservative-liberal-socialist. This is equivalent to saying that those three particular designations are no longer mutually exclusive options.

As for the great and powerful International which I mentioned at the outset--it will never exist, because it cannot promise people that they will be happy.

From Leszek Kolakowski, Modernity on Endless Trial (University of Chicago, 1990).

domingo, 19 de julho de 2009

sábado, 18 de julho de 2009

Esta fotografia, tua última; Jacques Roubaud

Esta fotografia, tua última, deixei-a na parede, entre as duas janelas, por cima,

Da televisão abandonada, e ao entardecer, no golfo de tetos, à esquerda da igreja, quando a luz,

Se concentra, que ao mesmo tempo, escorre, em dois estuários oblíquos, e invariáveis, na imagem,

Sento-me, nesta cadeira, de onde se vê, ao mesmo tempo, a imagem interior ....a fotografia, em volta, o que ela mostra,

Que somente, ao entardecer, coincide, pela direção da luz, com ela, fora isso, que à esquerda, na imagem, olhas,

Para o ponto onde me sento, para ver-te, invisível agora, na luz,

Da tarde, que pesa, sobre o golfo de tetos entre as duas janelas, e eu,

Ausente de teu olhar, que na imagem, fixa, o pensamento dessa imagem, dedicada a isso, nos entardeceres de agora, sem ti, no ponto,

Vacilante da dúvida de tudo.

tradução: Inês Oseki-Dépré

sexta-feira, 17 de julho de 2009

A leitura do Leonardo Boff da Caritas in Veritate

Leonardo Boff já negou , mais de uma vez, a relação entre a teologia da libertação e o marxismo. Curiosamente, ele critica a última enciclica do Papa, por não conter um pouco de marxismo que, aparentemente, ainda é ,não somente, o melhor "ver", mas também, o melhor "agir". Em outras palavras, ele considera a reforma irrelevante e opta pela revolução já que o problema estaria centrado na economia de mercado e suas famosas contradições e não no agir humano. Com a revolução, conclui-se, o paraiso se realizaria.Nos anos 70 este tipo de ilusão em relação a revolução socialista e ao marxismo ainda era compreensível, mas não em 2009.

A falta que faz ao Papa um pouco de marxismo

A nova encíclica de Bento XVI Caritas in Veritate de 7 de julho último é uma tomada de posição da Igreja face à crise atual. O complexo das crises, que atingem a humanidade e que comportam ameaças severas sobre o sistema da vida e seu futuro, demandaria um texto profético, carregado de urgência. Mas não é isso que recebemos senão uma longa e detalhada reflexão sobre a maioria dos problemas atuais que vão da crise econômica ao turismo, da biotecnologia à crise ambiental e projeções sobre um Governo mundial da Globalização. O gênero não é profético, o que suporia "uma análise concreta de uma situação concreta". Esta possibilitaria investir contra os problemas em tela na forma de denúncia-anúncio. Mas não é da natureza deste Papa ser profeta. Ele é um doutor e um mestre. Elabora o discurso oficial do Magistério, cuja perspectiva não é de baixo, da vida real e conflitiva, mas de cima, da doutrina ortodoxa que esfuma as contradições e minimaliza os conflitos. A tônica dominante não é a da análise, mas da ética, do dever-ser.

Como não faz análise da realidade atual, extremamente complexa, o discurso magisterial permanece principista, equilibrista e se define por sua indefinição. O subtexto do texto, ou o não-dito no dito, remete a uma inocência teórica que inconscientemente assume a ideologia funcional da sociedade dominante. Já se nota na abordagem do tema central - o desenvolvimento - hoje tão criticado por não tomar em conta os limites ecológicos da Terra. Disso a encíclica não fala nada. A visão é de que o sistema mundial se apresenta fundamentalmente correto. O que existe são disfunções e não contradições. Esse diagnóstico sugere a seguinte terapia, semelhante a do G-20: retificações e não mudanças, melhorias e não troca de paradigma, reformas e não libertações. É o imperativo do mestre: "correção", não a do profeta:"conversão".

Ao lermos o texto, longo e pesado, terminamos por pensar: como faria bem ao atual Papa um pouco de marxismo! Este, a partir dos oprimidos, tem o mérito de desmascarar as oposições presentes no sistema atual, pôr à luz os conflitos de poder e denunciar a voracidade incontida da sociedade de mercado, competitiva, consumista, nada cooperativa e injusta. Ela representa um pecado social e estrutural que sacrifica milhões no altar da produção para o consumo ilimitado. Isso caberia ao Papa profeticamente denunciar. Mas não o faz.

O texto do Magistério, olimpicamente fora e acima da situação conflitiva atual, não é ideologicamente "neutro"como pretende. É um discurso reprodutor do sistema imperante que faz sofrer a todos especialmente os pobres. Isso não é questão de Bento XVI querer ou não querer mas da lógica estrutural de seu tipo de discurso magisterial. Por renunciar a uma análise critica séria, paga um preço alto em ineficácia teórica e prática. Não inova, repete.

E ai perde uma enorme oportunidade de se dirigir à humanidade num momento dramático da história, a partir do capital simbólico de transformação e de esperança, contido na mensagem cristã. Esse Papa não valoriza o novo céu e a nova Terra, que podem ser antecipados pelas práticas humanas, apenas conhece essa vida decadente e, por si mesma insustentável (seu pessimismo cultural) e a vida eterna e o céu que ainda virão. Afasta-se assim da grande mensagem bíblica que possui consequências políticas revolucionárias ao afirmar que a utopia terminal do Reino da justiça, do amor e da liberdade só será real na medida em que se construírem e anteciparem, nos limites do espaço e do tempo histórico, tais bens entre nós.

Curiosamente, abstraindo de laivos fideístas recorrentes ("só através da caridade cristã é possível o desenvolvimento integral"), quando se "esquece" do tom magisterial, na parte final da encíclica, introduz coisas sensatas como a reforma da ONU, a nova arquitetura econômico-financeira internacional, o conceito do Bem Comum do Globo e a inclusão relacional da família humana.

Parafraseando Nietzsche: "quanto de análise crítica o Magistério da Igreja é capaz de incorporar"?

Fonte: Adital

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Financial Gain, Economic Pain

Interessante artigo do Nouriel Roubini que, como sempre, levanta pontos importantes sobre o cenario econômico.

In the past three months, global asset prices have rebounded sharply: stock prices have increased by more than 30% in advanced economies, and by much more in most emerging markets. Prices of commodities – oil, energy, and minerals – have soared; corporate credit spreads (the difference between the yield of corporate and government bonds) have narrowed dramatically, as government-bond yields have increased sharply; volatility (the “fear gauge”) has fallen; and the dollar has weakened, as demand for safe dollar assets has abated.

But is the recovery of asset prices driven by economic fundamentals? Is it sustainable? Is the recovery in stock prices another bear-market rally or the beginning of a bullish trend?

While economic data suggests that improvement in fundamentals has occurred - the risk of a near depression has been reduced; the prospects of the global recession bottoming out by year end are increasing; and risk sentiment is improving - it is equally clear that other, less sustainable factors are also playing a role. Moreover, the sharp rise in some asset prices threatens the recovery of a global economy that has not yet hit bottom. Indeed, many risks of a downward market correction remain.

First, confidence and risk aversion are fickle, and bouts of renewed volatility may occur if macroeconomic and financial data were to surprise on the downside – as they may if a near-term and robust global recovery (which many people expect) does not materialize.

Second, extremely loose monetary policies (zero interest rates, quantitative easing, new credit facilities, emissions of government bonds, and purchases of illiquid and risky private assets), together with the huge sums spent to stabilize the financial system, may be causing a new liquidity-driven asset bubble in financial and commodity markets. For example, Chinese state-owned enterprises that gained access to huge amounts of easy money and credit are buying equities and stockpiling commodities well beyond their productive needs.

The risk of a correction in the face of disappointing macroeconomic fundamentals is clear. Indeed, recent data from the United States and other advanced economies suggest that the recession may last through the end of the year. Worse, the recovery is likely to be anemic and sub-par – well below potential for a couple of years, if not longer – as the burden of debts and leverage of the private sector combine with rising public sector debts to limit the ability of households, financial firms, and corporations to lend, borrow, spend, consume, and invest.

This more challenging scenario of anemic recovery undermines hopes for a V-shaped recovery, as low growth and deflationary pressures constrain earnings and profit margins, and as unemployment rates above 10% in most advanced economies cause financial shocks to re-emerge, owing to mounting losses for banks’ and financial institutions’ portfolios of loans and toxic assets. At the same time, financial crises in a number of emerging markets could prove contagious, placing additional stress on global financial markets.

The increase in some asset prices may, moreover, lead to a W-shaped double-dip recession. In particular, thanks to massive liquidity, energy prices are now rising too high too soon. The role that high oil prices played in the summer of 2008 in tipping the global economy into recession should not be underestimated. Oil above $140 a barrel was the last straw – coming on top of the housing busts and financial shocks – for the global economy, as it represented a massive supply shock for the US, Europe, Japan, China and other net importers of oil.

Meanwhile, rising fiscal deficits in most economies are now pushing up the yields of long-term government bonds. Some of the rise in long rates is a necessary correction, as investors are now pricing a global recovery. But some of this increase is driven by more worrisome factors: the effects of large budget deficits and debt on sovereign risk, and thus on real interest rates; and concerns that the incentive to monetize these large deficits will lead to high inflation after the global economy recovers in 2010-11 and deflationary forces abate. The crowding out of private demand, owing to higher government-bond yields – and the ensuing increase in mortgage rates and other private yields – could, in turn, endanger the recovery.

As a result, one cannot rule out that by late 2010 or 2011, a perfect storm of oil above $100 a barrel, rising government-bond yields, and tax increases (as governments seek to avoid debt-refinancing risks) may lead to a renewed growth slowdown, if not an outright double-dip recession.

The recent recovery of asset prices from their March lows is in part justified by fundamentals, as the risks of global financial meltdown and depression have fallen and confidence has improved. But much of the rise is not justified, as it is driven by excessively optimistic expectations of a rapid recovery of growth towards its potential level, and by a liquidity bubble that is raising oil prices and equities too fast too soon. A negative oil shock, together with rising government-bond yields – could clip the recovery’s wings and lead to a significant further downturn in asset prices and in the real economy.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Piano, piano se va lontano

Ao contrário do Império, o cenario econômico no grande bananão continua sua trajetoria de recuperação. Os últimos dados do varejo, simplesmente, confirmam este fato, que ainda, é questionado pela turma de sempre. As medidas de política econômica - no geral corretas - continuam a dar bons frutos. Já o investimento e as exportações, como era de se esperar, continuam em banho maria. Digo era de se esperar, porque no caso do último, depende, fundamentalmente do cenário econômico externo, que continua- exceto nos emergentes- problematico.

terça-feira, 14 de julho de 2009

Como a Índia deve mudar caso queira se tornar uma economia avançada

Ótimo artigo do Martin Wolf sobre a India.

Como a economia mundial -na verdade, o mundo- se parecerá após o término da crise financeira? Isto provará ser um mero soluço ou algo mais fundamental? Grande parte da resposta será fornecida pelo desempenho dos dois gigantes asiáticos, a China e a Índia. De forma acertada ou equivocada, é amplamente aceito que a China continuará crescendo muito rapidamente. Mas qual será o futuro provável para a Índia?

Eu participei de debates sobre esta questão em Mumbai e Déli há duas semanas. A ocasião foi o lançamento de um relatório preparado pelo Centennial Group para o Fórum dos Mercados Emergentes deste ano.* Ele trata de uma questão provocante: o que precisaria mudar para a Índia poder se tornar um país rico em uma geração? A resposta é: muita coisa. Mas uma coisa é clara: após o desempenho das últimas três décadas, a meta não é absurda.

Desde 1980, o padrão médio de vida de chineses e indianos experimentou, pela primeira vez na história dessas duas civilizações antigas, um aumento rápido e sustentado. Em uma geração, o produto interno bruto per capita da Índia cresceu 230% -uma tendência de taxa de 4% ao ano. Este seria um feito incrível se o da China não tivesse aumentado 1.090% -uma tendência de taxa de 8,7% ao ano. Mas apesar da Índia ter ficado para trás, a mudança foi grande o bastante para a aspiração tomar o lugar da resignação como caráter de uma grande e crescente proporção de indianos.

O passado recente oferece pelo menos quatro motivos adicionais para otimismo. Primeiro, a taxa de crescimento está acelerando: nos cinco anos até e incluindo 2008, a taxa média anual de crescimento econômico foi de 8,7%, em comparação ao pico anterior de 6,5% em 1999. Segundo, uma poupança e investimento altamente superiores sustentam essa aceleração, com a poupança doméstica bruta da Índia subindo para 38% do PIB no ano financeiro de 2007-2008. Terceiro, a economia da Índia globalizou, com a relação de comércio de bens e serviços subindo para 51% do PIB no último trimestre de 2008, em comparação a 24% na década anterior. Isso não está muito longe dos 59% do PIB da China.

Finalmente, o sistema político democrático, apesar de todas as suas fragilidades, funciona. A democracia indiana é uma maravilha do mundo político. O que aconteceu na última eleição parece um grande desenvolvimento -a reeleição de um governo com um grande aumento de suas cadeiras do Parlamento. Acredita-se amplamente que isso reflete a escolha da competência acima das castas e do secularismo acima das seitas. O eleitorado também registrou a aprovação da competência e integridade de Manmoham Singh, o primeiro-ministro. Eu tenho a sorte de conhecer o dr. Singh há três décadas e meia. Eu tenho a máxima admiração por ele. Eu apenas espero que ele esteja preparado para usar ousadamente seu possível último mandato no governo.

O que precisa acontecer para os indianos desfrutarem de um estilo de vida rico? A resposta, sugere o relatório, é que a Índia deve sustentar um crescimento próximo de 10% ao ano por uma geração. Isso não é inconcebível: a China conseguiu, partindo de uma base mais baixa, ao longo de três décadas. Mas é uma tarefa imensa, particularmente para um país tão grande, diverso e complexo. Uma mudança extraordinária precisaria ocorrer, dentro da Índia e nas relações da Índia com o mundo.

Para que isso seja concebível, pelo menos quatro coisas teriam que acontecer: o mundo precisaria permanecer em paz; a economia mundial precisaria permanecer aberta; a Índia deveria evitar a estagnação na qual muitos países de renda média caíram; e, finalmente, as implicações ambientais e de recursos de sua ascensão à riqueza deveriam ser administradas.

Além disso, a Índia deve superar três grandes desafios: a manutenção, na verdade o fortalecimento, da coesão social em uma época de agitação econômica e social; a criação de uma economia competitiva e inovadora; o exercer de um papel em sua região e no mundo proporcional ao tamanho e crescente importância do país. Em aspectos fundamentais, a Índia precisa se transformar em um país diferente.

Não menos, como deixa claro o relatório, a Índia precisaria ser governada de modo bem diferente. Na Índia, um processo democrático vigoroso, apesar de frequentemente corrupto, está sobreposto nas "mentalidades, estruturas institucionais e práticas herdadas do Raj britânico". A Índia prosperou apesar do governo, não por causa dele. É um milagre que o gigante tenha se saído tão bem. Mas para que este país possa prosperar, é preciso a criação de uma infraestrutura, o fornecimento de serviços, a promoção da concorrência, a proteção da propriedade e a oferta de justiça. O país precisa se afastar do que o relatório chama de "capitalismo de favoritismo e corrupção mesquinha" para algo diferente. A qualidade do governo, que atualmente acredita-se que esteja deteriorando, deve, em vez disso, melhorar radicalmente.

Quão longe teria que ir a transformação é mostrado pelas "sete questões intergerações" nas quais este relatório se concentra: primeiro, lidar com as disparidades, principalmente entre grupos sociais, mas sem entrincheirar ainda mais direitos baseados em grupos e políticas baseadas em grupos; segundo, melhorar o meio ambiente, incluindo o meio ambiente global; terceiro, eliminar os gargalos de infraestrutura da Índia; quarto, transformar o fornecimento dos serviços públicos, particularmente nas cidades mal servidas da Índia; quinto, renovar a educação, o desenvolvimento tecnológico e a inovação; sexto, revolucionar a produção e consumo de energia; e, finalmente, promover um sul da Ásia próspero e tornar-se uma potência global responsável.

Eu tiro duas coisas importantes da análise neste relatório, uma para a Índia e outra para o mundo.

Para a Índia, eu concluo que até mesmo sustentar o desempenho recente será realmente difícil. A época em que o país podia prosperar apenas impedindo o governo de ficar no caminho está acabando. A Índia agora precisa de um governo eficiente e prestador de serviços, dirigido por tecnocratas competentes e políticos honestos. É claro, muitas intervenções tolas ainda precisam ser removidas. O governo também precisa ajustar o foco de sua energia e recursos limitados para as tarefas essenciais. Mas também precisa poder realizar essas tarefas de forma muito mais eficaz do que faz hoje.

O que tiro para o mundo é que a Índia, apesar de todos os imensos desafios que enfrenta, provavelmente continuará crescendo, mesmo que mais lentamente do que presume o relatório. O trabalho de corrigir o modo familiar de pensar ocidental a respeito do mundo, para se adequar às novas realidades, mal começou. Em uma década, o mundo no qual o Reino Unido faz parte do Conselho de Segurança da ONU e a Índia não parecerá muito mais que ridículo. A velha ordem morreu. Quanto mais cedo o mundo se ajustar, melhor.

*'Índia 2039: Uma Sociedade Rica em Uma Geração', Banco de Desenvolvimento Asiático, 2009.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

O império nada tranquilo...

As notícias vindas do Império estão longe de serem uma Brastemp, mas não são uma grande surpresa para a maioria que acompanha o debate sobre a crise econômica. O plano, já haviamos alertado, quando do seu lançamento, era, apenas bom remendo e por isto mesmo, uma fase 2 deveria ser esperada. Era o possível diante do quadro ideológico americano e da emergência do momento. Ainda é cedo para analisar os seus resultados, mas já é possível perceber que será impossível descartar a fase 2. O problema será convencer o Parlamento e o público, em geral, da sua necessidade. A gritaria contra o aumento do deficit e do inevitável aumento e ou criação de novos impostos, não está, apenas, restrita a previsível Fox, mas já encontra espaço na própria CNN. Reverter esta situação é fundamental, mas nada fácil o que torna o cenário econômico americano ainda mais incerto e perigoso. De qualquer modo o futuro não parece nada róseo.

sábado, 11 de julho de 2009

Verso 6, Paul Van Ostaijen

Eu não posso colecionar selos
Eu não posso colecionar fotos de mulheres
Eu não posso colecionar namoros
nem sabedoria
eu já não posso nada mais
eu já não posso nada mais
Porque não apago a luz
e não vou pra cama
Eu quero provar
estar nú
pelado quem sabe sim púrpura gelada
e palidez
Não é assim o próprio princípio principiante
Eu não quero saber nada
eu não quero perguntar
eu não me tornei um colecionador de selos
Eu começarei por dar meu fracasso
Eu começarei por dar minha falência
Eu me darei um pobre despedaço de terra
uma terra pisoteada
uma terra de urzes
uma cidade ocupada
Eu quero estar nu
e começar

(tradução de Philippe Humblé e Walter Costa)

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Leituras da Caritas in Veritate

Por enquanto são raros os artigos brasileiros( encontrei apenas 2) sobre a Caritas in Veritate, já em lingua inglesa encontra-se um número bem maior. A mesa redonda organizada pelo World Catholic Report apresenta um conjunto bem interessante de análises da Encíclica. Beckwith, abaixo, apresenta uma leitura bem interessante.

That theological anthropology is the proper starting point in discovering the good for which human beings were designed is the animating principle behind Pope Benedict XVI’s encyclical Caritas in Veritate (or “Charity in Truth”). For without true knowledge of the human person, one cannot know how to properly direct one’s love (or “charity”) to one’s fellow human being. As Benedict writes, “Without truth, without trust and love for what is true, there is no social conscience and responsibility, and social action ends up serving private interests and the logic of power, resulting in social fragmentation, especially in a globalized society at difficult times like the present” (5).

For Benedict, who and what we are, the question of theological anthropology, is the key to a proper understanding of our relationship to one another, our economic progress and regress, the nature of the family and marriage, humanity’s stewardship for the environment, the rule of law, intergenerational justice, as well as our openness to human life at its outset, its end, and the time in between. Yes, Caritas in Veritate mentions all these topics as well as several others. But the answer to the question of what constitutes integral human development—i.e., what are we and what is the good for us as individuals and as a whole?—is the unifying principle that connects them all.

The categories that dominate our public discourse in the United States—left, right, liberal, conservative, etc.—play no role in illuminating the message of Caritas in Veritate. This is why it is a fool’s errand to attempt to artificially divide Catholic social teachings into its left and right wings, as if the Church’s rejection of economic libertarianism and proclamation of the principles of subsidiary and solidarity is a call to socialism or the government ownership of the means of production, or that the Church’s embracing of the exclusivity of male-female marriage and its defense of the sanctity of all human life from conception until natural death means that the Church does not believe in individual liberty.

This “binary model,” as Benedict calls it (41), unnaturally limits our vision of the multilayered and interdependent goods that lead to integral human development, and thus, results in true freedom for the individual to pursue the good. According to the Pope, if we believe that our faith and all that it entails for theological anthropology and the good life is true, we can coherently claim that liberty, rightly understood, prohibits us from rejecting certain unassailable truths about ourselves without which liberty loses its point.

For the Church, the Sermon on the Mount cannot be separated from “Honor thy Father and Mother,” “Thou shalt not commit adultery,” and “Thou shalt not steal.” This is not a seamless garment. For it is not an artifice constructed by our wills. It is a living organism, made by God, whose parts work in concert for the benefit of the whole. Thus, the “justice” in social justice refers to a rightly ordered polity, not to the outcomes and/or processes advocated by the ideologies of a Ludwig Von Mises or a Karl Marx. In Christian theology, you can gain the whole world and lose your own soul (Luke 9:25). To paraphrase St. Paul, that’s a stumbling block to the Austrians and foolishness to the Marxists.

Francis J. Beckwith é Professor of Philosophy and Church-State Studies, e Resident Scholar in the Institute for the Studies of Religion, Baylor University.

Para ler as demais contribuições clique aqui

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Not waving but drowning

Importante artigo do The Tablet sobre um conhecido problema que volta a assustar: o odio aos imigrantes, o novo ovo da conhecida serpente dos anos 20 e 30 do século passado.

Public sentiment and political rhetoric is hardening against migrants in Italy, and legislators are proposing to restrict their rights radically. This means that the Vatican, bishops and church charities are set on a collision course with the Italian state, host of the G8 Summit

"Dying of Hope" was the title of an ecumenical prayer service held in the Rome Basilica of Santa Maria in Trastevere on 25 June to remember all those who have died attempting to flee to Europe from poverty, hunger or oppression.

The president of the Pontifical Council for Migrants and Itinerant Peoples, Archbishop Antonio Maria Vegliò, presided at the event, which was jointly organised for the third consecutive year by the Sant'Egidio lay community, the Italian branch of Caritas, the Jesuit-run Centro Astalli, the Federation of Evangelical Churches in Italy and the national Christian Workers Association.

In the first four months of this year alone, some 350 men, women and children have drowned trying to cross the stormy strait between North Africa and Sicily. Conservative estimates for the number of victims who have lost their lives while attempting to enter Europe over the past two decades have reached almost 15,000.

The prayer service was held to mark World Refugee Day and to draw attention to a situ­ation which many religious and human rights organisations say has reached crisis point here in Italy. Days earlier Pope Benedict himself had prayed for the "difficult and sometimes dramatic situation of refugees". He noted during his visit to Padre Pio's shrine in San Giovanni Rotondo that "there are many people who seek refuge in other countries fleeing from situations of war, persecution and disasters, and their reception poses many difficulties, yet it is nevertheless a duty".

But just a week earlier, Italy's lower house of parliament passed a bill proposing harsh fines (up to 10,000 euros) for immigrants who are caught without the correct documents and a jail sentence for anyone offering accommodation to "illegal" immigrants. The proposed law (expected to be passed by the Senate this week) also increases the length of time that such immigrants can be kept in government holding centres from two to six months and, most controversially, contains provisions for a national framework enabling the setting up of "citizens" patrols - critics call them vigilante groups - to help authorities combat crime

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Uma combinação inacreditável

Alexandre "eram os Deuses astronautas", tem razão: não se pode atribuir a forte queda da produção a política monetária, o que não implica, contudo, negar o seu impacto sobre a produção. Ele, contudo, não é tão forte quando cantado em verso e prosa pela turma de sempre. Não acredito ser um caso de desonestidade intelectual, mas de desconhecimento dos rudimentos da teoria econômica. Eles gostam de serem chamados de economistas, mas, aparentemente, nunca tiveram tempo e disposição para as horas b. necessarias à formação em economia. É pura pose... passear com livros sem os ler... é a Sindrome do Visconde de Sabugosa...

Há quem receba mais atenção do que merece; há quem receba menos, como é o caso do IBGE. De fato, além de acelerar a divulgação da produção industrial, o IBGE tem trazido novas aberturas que auxiliam o trabalho de análise econômica. Dessas, uma em particular mostra o comportamento de setores industriais de acordo com sua intensidade exportadora, isto é, aqueles que tipicamente superam de forma significativa o coeficiente médio de participação das exportações no produto (20,8%) e os que costumam exportar uma fração menor de sua produção.
Ao contrário do que se imagina, os segmentos produtores de commodities são importantes tanto para o setor de alta intensidade exportadora como para o de baixa intensidade, respondendo por cerca de 65%-70% do peso no caso de seus principais produtos. Já os produtos mais sofisticados, como automóveis e aviões, representam parcela importante da produção do setor exposto ao mercado externo, enquanto outros, como celulares e computadores, apresentam peso considerável no setor com menor exposição. A divisão entre commodities e produtos diferenciados não é, pois, a mesma que existe entre alta e baixa intensidade exportadora.
Dado esse pano de fundo, convido os 17 leitores a analisar o comportamento dos dois setores a partir do início da série (ver gráfico). O primeiro fato que salta aos olhos é o avanço francamente superior do setor intensivo em exportações. Entre 2002 e o terceiro trimestre de 2008, sua produção cresceu à taxa média de 6,4% ao ano, ante 3,3% no caso dos segmentos de baixa intensidade exportadora, diferença que se mantém mesmo se escolhermos outros períodos amostrais.
Em outras palavras, apesar da conversinha sobre como a apreciação cambial -associada à forte valorização das commodities no período- estaria levando à desindustrialização do país, a realidade insiste em mostrar precisamente o oposto. Foi o setor de alta intensidade exportadora que liderou a vigorosa expansão industrial dos últimos anos e, dentro dele, o melhor desempenho veio de segmentos produtores de bens diferenciados, como automóveis, caminhões e aviões.
Obviamente, dado o cenário de forte contração do comércio internacional, que registrou queda de 40% entre o terceiro trimestre do ano passado e o começo de 2009, foi também esse setor quem mais sofreu com a crise, agravada ainda pelo colapso das importações argentinas (55% entre julho de 2008 e maio de 2009), destino de quase 20% das exportações industriais brasileiras. Tal resultado, diga-se, é congruente com o que já havíamos mostrado nesta coluna, isto é, que a queda das exportações explicava a maior parte da redução da produção industrial.
À luz desses dados, seria surpreendente a insistência de certos economistas em ignorar o contexto externo e atribuir a forte queda da produção à política monetária. Só não surpreende porque há muito se sabe que tal "análise" deriva, em partes iguais, de incrível despreparo técnico e inigualável desonestidade intelectual.

Fonte: FSP

terça-feira, 7 de julho de 2009

Caritas in Veritate

Finalmente saiu a Caritas in Veritate, a encíclica do Bento XVI dedicada a questôes econômicas e sociais. Quem espera uma critica a economia de mercado, globalização, finanças internacionais, etc, na linha da turma de sempre, certamente, vai ficar desapontado. Leitura obrigatória, não somente aos católicos, mas, a todos aqueles que apreciam a produção intelectual de alta qualidade.

36. A actividade económica não pode resolver todos os problemas sociais através da simples extensão da lógica mercantil. Esta há-de ter como finalidade a prossecução do bem comum, do qual se deve ocupar também e sobretudo a comunidade política. Por isso, tenha-se presente que é causa de graves desequilíbrios separar o agir económico — ao qual competiria apenas produzir riqueza — do agir político, cuja função seria buscar a justiça através da redistribuição.

Desde sempre a Igreja defende que não se há-de considerar o agir económico como anti-social. De per si o mercado não é, nem se deve tornar, o lugar da prepotência do forte sobre o débil. A sociedade não tem que se proteger do mercado, como se o desenvolvimento deste implicasse ipso facto a morte das relações autenticamente humanas. É verdade que o mercado pode ser orientado de modo negativo, não porque isso esteja na sua natureza, mas porque uma certa ideologia pode dirigi-lo em tal sentido. Não se deve esquecer que o mercado, em estado puro, não existe; mas toma forma a partir das configurações culturais que o especificam e orientam. Com efeito, a economia e as finanças, enquanto instrumentos, podem ser mal utilizadas se quem as gere tiver apenas referimentos egoístas. Deste modo é possível conseguir transformar instrumentos de per si bons em instrumentos danosos; mas é a razão obscurecida do homem que produz estas consequências, não o instrumento por si mesmo. Por isso, não é o instrumento que deve ser chamado em causa, mas o homem, a sua consciência moral e a sua responsabilidade pessoal e social.

A doutrina social da Igreja considera possível viver relações autenticamente humanas de amizade e camaradagem, de solidariedade e reciprocidade, mesmo no âmbito da actividade económica e não apenas fora dela ou « depois » dela. A área económica não é nem eticamente neutra nem de natureza desumana e anti-social. Pertence à actividade do homem; e, precisamente porque humana, deve ser eticamente estruturada e institucionalizada.

O grande desafio que temos diante de nós — resultante das problemáticas do desenvolvimento neste tempo de globalização, mas revestindo-se de maior exigência com a crise económico-financeira — é mostrar, a nível tanto de pensamento como de comportamentos, que não só não podem ser transcurados ou atenuados os princípios tradicionais da ética social, como a transparência, a honestidade e a responsabilidade, mas também que, nas relações comerciais, o princípio de gratuidade e a lógica do dom como expressão da fraternidade podem e devem encontrar lugar dentro da actividade económica normal. Isto é uma exigência do homem no tempo actual, mas também da própria razão económica. Trata-se de uma exigência simultaneamente da caridade e da verdade.

71. Esta possibilidade da mentalidade técnica se desviar do seu originário álveo humanista ressalta, hoje, nos fenómenos da tecnicização do desenvolvimento e da paz. Frequentemente o desenvolvimento dos povos é considerado um problema de engenharia financeira, de abertura dos mercados, de redução das tarifas aduaneiras, de investimentos produtivos, de reformas institucionais; em suma, um problema apenas técnico. Todos estes âmbitos são muito importantes, mas não podemos deixar de interrogar-nos por que motivo, até agora, as opções de tipo técnico tenham resultado apenas de modo relativo. A razão há-de ser procurada mais profundamente. O desenvolvimento não será jamais garantido completamente por forças de certo modo automáticas e impessoais, sejam elas as do mercado ou as da política internacional. O desenvolvimento é impossível sem homens rectos, sem operadores económicos e homens políticos que sintam intensamente em suas consciências o apelo do bem comum. São necessárias tanto a preparação profissional como a coerência moral. Quando prevalece a absolutização da técnica, verifica-se uma confusão entre fins e meios: como único critério de acção, o empresário considerará o máximo lucro da produção; o político, a consolidação do poder; o cientista, o resultado das suas descobertas. Deste modo sucede frequentemente que, sob a rede das relações económicas, financeiras ou políticas, persistem incompreensões, contrariedades e injustiças; os fluxos dos conhecimentos técnicos multiplicam-se, mas em benefício dos seus proprietários, enquanto a situação real das populações que vivem sob tais influxos, e quase sempre na sua ignorância, permanece imutável e sem efectivas possibilidades de emancipação.

Para ler o texto completo da encíclica clique aqui

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Pequena história do mundo

É uma pena que as coisas são um pouco mais complicadas que o retrato em branco e preto apresentado por Bresser Pereira, no artigo abaixo. O seu discurso, no entanto, não é muito diferente do discurso de outros membros da mesma geração da esquerda católica, ainda vagando, sem rumo, em um mundo pós-marxista.

Neste ano , devido à crise global, as taxas de crescimento dos países ricos serão fortemente negativas, as da América Latina serão moderadamente negativas e os países asiáticos continuarão a crescer, ainda que a taxas um pouco menores. Não há novidade nesse fato. Como os países asiáticos contam com nações e elites independentes, que adotam políticas econômicas segundo seus interesses nacionais e não segundo a recomendação dos países ricos, desde o fim da Segunda Guerra crescem muito mais que o Brasil e a América Latina.

Isso fica mais claro se eu contar uma pequena história. No século 16, enquanto os europeus colonizaram as Américas, na Ásia limitaram-se a estabelecer entrepostos comerciais porque as grandes civilizações asiáticas eram suficientemente poderosas para evitar a colonização. A Inglaterra e a França, porém, estavam em pleno processo de desenvolvimento capitalista e completaram sua Revolução Industrial no início do século 19. Assim, tornaram-se fortes o suficiente para, nesse século, reduzir a Índia e a China à situação de colônia formal (caso da Índia) ou informal (caso da China). Nos 150 anos seguintes, esses países, dominados pelo imperialismo, viram suas economias regredir fortemente e uma imensa pobreza dominar todo o continente. Enquanto isso, os países latino-americanos ganhavam independência da Espanha e de Portugal com o auxílio da Inglaterra.

Em agradecimento a essa ajuda desinteressada, nossas elites aceitaram para seus países a condição semicolonial. Entretanto, as nações latino-americanas contavam com um Estado para definir e implantar políticas nacionais, de forma que lograram algum crescimento. Em 1950, enquanto a Ásia apresentava níveis baixíssimos de crescimento, os países da América Latina tinham um razoável nível de renda por habitante, e alguns países, como o Brasil, estavam em plena industrialização.

Mas esse quadro mudaria nos 60 anos seguintes. Nos primeiros 30 anos, países como o Brasil e o México, que haviam alcançado alguma autonomia nacional, ainda lograram adotar políticas nacionais e se desenvolveram. Desde a grande crise da dívida externa dos anos 1980, porém, esses países, e principalmente o México, se dobraram ao Norte, voltaram à condição de países dependentes ou semicoloniais -agora subordinados aos EUA- e se submeteram às políticas neoliberais.

Enquanto isso, os países asiáticos cresciam a taxas aceleradas desde os anos 1950, primeiro com um modelo de substituição de importações, depois com um modelo voltado para as exportações, mas usando sua própria poupança, e, o que é mais importante, sua própria cabeça -sua própria visão do que é o interesse nacional. Em consequência, nestes últimos 30 anos os países asiáticos dinâmicos cresceram a taxas entre três e quatro vezes mais do que a América Latina. Cresceram porque suas elites asiáticas -em vez de "europeias" como as nossas- não se submeteram ao Norte. Cresceram porque adotaram políticas econômicas que neutralizavam as duas tendências que impedem o desenvolvimento econômico dos países em desenvolvimento: a tendência de os salários crescerem menos que a produtividade e a tendência à sobreapreciação da taxa de câmbio.

E assim vamos ficando para trás.

Nosso "consolo" é que os países ricos também estão ficando para trás, porque, como vimos nesta crise, acabaram se tornando vítimas da globalização financeira e das políticas neoliberais que nos recomendavam. Pobre consolo, triste pequena história do mundo.

sábado, 4 de julho de 2009

Arte Poética, Vicente Huidobro

Que el verso sea como una llave
Que abra mil puertas.
Una hoja cae; algo pasa volando;
Cuanto miren los ojos creado sea,
Y el alma del oyente quede temblando.

Inventa mundos nuevos y cuida tu palabra;
El adjetivo, cuando no da vida, mata.

Estamos en el ciclo de los nervios.
El músculo cuelga,
Como recuerdo, en los museos;
Mas no por eso tenemos menos fuerza:
El vigor verdadero
Reside en la cabeza.

Por qué cantáis la rosa, ¡oh Poetas!
Hacedla florecer en el poema ;

Sólo para nosotros
Viven todas las cosas bajo el Sol.

El Poeta es un pequeño Dios.

De El espejo de Agua, 1916

sexta-feira, 3 de julho de 2009

"We Reiterate Our Plea That the Poorest Countries Be Given Priority"

Texto lido pelo Arcebispo Celestino Migliore - observador permanente da Santa Sé na ONU - no dia 26 de Junho na conferência "The World Financial and Economic Crisis and Its Impact on Development".

The Holy See welcomes this opportunity to comment on the recommendations now emerging from the discussions that have been taking place on the impact of the global financial and economic crisis on developing countries. In doing so, we applaud again the initiative taken by the UN over the past months to include its entire membership in the discussions.

We must not forget that it is poor people both in developed and in developing countries who suffer most and who are least able to defend themselves against the impact of this crisis. Loss of jobs in the former and lack of access to employment, food, basic healthcare and education facilities in the latter are a daily daunting reality. At the conclusion of the Development Committee meetings in late April, the World Bank estimated that an additional 55-90 million people will now be trapped in extreme poverty in 2009, especially women and children; meanwhile, the number of chronically hungry people is expected to climb to over 1 billion individuals this year. Moreover, prospects for overcoming extreme poverty by 2015 by way of the eight globally agreed Millennium Development Goals have also receded.

Consequently, for the Holy See, there is, first and foremost, a compelling moral obligation to address these worsening social and economic disparities which undermine the basic dignity of so many of the world's inhabitants. At the same time Chu rch institutions all over the world have seized the momentum to foment new structures of solidarity and to call for and encourage the redirection of the national and global financial and economic systems towards the principles of justice, solidarity and subsidiarity.

Given the vulnerability of so many of the world's poor, we endorse the proposed approach to protect them with short-term stabilization measures while using longer term measures to help ensure sustainable financial flows and reduce the likelihood of this crisis reoccurring. We also urge that the future agenda be not overly ambitious. Short-term actions must focus on means that are capable of bringing tangible relief within a reasonable time period to individuals most in need. Longer term measures -- which often may require developing a stronger political consensus to realize them -- should focus on actions that support sustainability. We therefore support the proposed practical balance between short-term needs for effective action and the longer term proposals to review the framework of the global economic system.

In terms of specific action, we welcome the commitments made at the G20 London Summit last April to make available more than $1 trillion in additional assistance. Unfortunately, however, only a small part of this assistance was targeted for the poorest developing countries. Hence, it is essential that adequate financial assistance still be directed to these countries, whose financing needs must be closely monitored. It is also important that such assistance be extended with minimal conditionality from the IFIs.

We are conscious of the human and social dimensions of this global crisis. In light of that, we support measures aimed at strengthening food security, the protection of social expenditures, and, more generally, a people centered focus of public expenditure. In this regard, we welcome particularly the proposals for the necessary additional resources to be ma de to the World Bank's Vulnerability Financing Framework.

The new global crisis should not be a pretext for forgetting old concerns. At the Doha Conference, we stressed the importance of reaffirming the principle of sustainable financial development and ensuring a sustainable path of development for all developing countries. Specifically, the elimination of agricultural export subsidies is one measure that can provide significant benefits to very poor developing countries. This essentially moral prerogative has become even more urgent in the intervening period as the global financial crisis has worsened. We therefore join Member states in pressing for a speedy conclusion to the WTO Doha Round, inasmuch as it respects the commitments in favor of the Least Developed Countries. Likewise, it is essential for developed countries to maintain their existing ODA commitments.

In terms of measures aimed at preventing a reoccurrence of this crisis in the future, we support practic al and enforceable regulations to ensure global transparency and oversight at all levels of the financial system. Underlying the current economic crisis is an ideology which places individuals and individual desires at the center of all economic decisions. The practice of economics has reflected this ideological focus and has sought to remove values and morality from economic discussions rather than seeking to integrate these concerns into creating a more effective and just financial system.

This world view has created a society in which short-term economic and personal gains are made at the expense of others and have the effect of creating an individualism lacking recognition of the shared rights and responsibilities necessary to create a society respecting the dignity of all people.

As the UN community assumes this collective responsibility to support the poorest developing countries at this time of financial crisis, we believe it is appropriate to recall the reflect ions of Pope Benedict XVI at the beginning of this year in celebrating World Day of Peace. He placed special emphasis on the essential need for a 'strong sense of global solidarity' between rich and poor countries to address effectively the fight against poverty. His appeal was essentially a moral one, based on the common good for all human beings.

In the field of international commerce and finance there are processes at work which permit a positive integration of economics leading to an overall improvement in conditions. At the same time, however, there are processes at work in the opposite direction that marginalize peoples and can lead to wars and conflicts. Despite the enormous growth in trade since the Second World War, there remain many low income countries still marginalized in terms of trade. In such countries, many of which are in Africa, there is a fundamental issue of global equity at stake. In the area of finance, too, the recent crisis demonstrates how financial ac tivity can be self-centered and short-term in perspective, lacking any long-term consideration of the common good.

In closing, we reiterate our plea that the poorest countries be given priority at this time of crisis and that an ethical approach be adopted (i) in economics by those active in international markets; (ii) in politics by those in public office; and (iii) to allow for inclusive participation by all members of civil society. Only if such an approach is adopted can true global solidarity be achieved

Fonte: Zenit

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Will Cap-and-Trade Incite Protectionism?

Interessante artigo do Martin Feldstein sobre os riscos de protecionismo de onde menos se espera: legislação ambiental.

There is a serious danger that the international adoption of cap-and-trade legislation to limit carbon-dioxide emissions will trigger a new round of protectionist measures. While aimed at reducing long-term environmental damage, cap-and-trade policies could produce significant harmful economic effects in the near term that would continue into the future.

Scientific evidence appears to indicate that the accumulation of CO2 in the atmosphere from the burning of fossil fuels (primarily coal, oil, and natural gas) – mainly in electricity production, transportation, and various industrial processes – contributes to gradual global warming, with long-term adverse effects on living conditions around the world. It is with this in mind that representatives of more than 150 countries are scheduled to meet in Copenhagen in December to discuss ways to reduce CO2 emissions.

A common suggestion is to impose a tax on all CO2 emissions, which would be levied on companies that emit CO2 in production, or that sell products like gasoline that cause CO2 emissions when used. Such a tax would cause electricity companies and industrial firms to adopt techniques that reduce their CO2 emissions, as long as the cost of doing so is less than the tax that they would otherwise have to pay.

The higher cost of production incurred to reduce emissions – and of any emissions tax still due – would, of course, be included in the price charged to consumers. Consumers would respond to the tax-induced increase in the cost of the emissions-intensive products by reducing their consumption of those goods and services in favor of goods and services that create smaller amounts of CO2 emissions.

A carbon tax causes each firm and household to respond to the same cost of adding CO2 to the atmosphere. That uniform individual cost incentive allows total CO2 to be reduced at a lower total cost than would be achieved by a variety of administrative requirements, such as automobile mileage standards, production technology standards (e.g., minimum renewable fuel inputs in electricity generation), etc.

Yet we do not see carbon taxes being adopted. Although governments levy taxes on gasoline, they are reluctant to impose a general carbon tax because of public opposition to any form of taxation. Governments have therefore focused on a cap-and-trade system as a way of increasing the cost of CO2-intensive products without explicitly imposing a tax.

In a cap-and-trade system, the government sets total allowable national emissions of CO2 per year and requires any firm that causes CO2 emissions to have a permit per ton of CO2 emitted. If the government sells these permits in an auction, the price of the permit would be a cost to the firm in the same way as a carbon tax – and with the same resulting increases in consumer prices. The cap-and-trade system thus imposes a carbon tax without having to admit that it is really a tax.

A cap-and-trade system can cause serious risks to international trade. Even if every country has a cap-and-trade system and all aim at the same relative reduction in national CO2 emissions, the resulting permit prices will differ because of national differences in initial CO2 levels and in domestic production characteristics. Because the price of the CO2 permits in a country is reflected in the prices of its products, the cap-and-trade system affects its international competitiveness.

When the permit prices become large enough to have a significant effect on CO2 emissions, there will be political pressure to introduce tariffs on imports that offset the advantage of countries with low permit prices. Such offsetting tariffs would have to differ among products (being higher on more CO2-intensive products) and among countries (being higher for countries with low permit prices). Such a system of complex differential tariffs is just the kind of protectionism that governments have been working to eliminate since the start of the GATT process more than 50 years ago.

Worse still, cap-and-trade systems in practice do not rely solely on auctions to distribute the emissions permits. The plan working its way through the United States Congress (the Waxman-Markey bill) would initially give away 85% of the permits, impose a complex set of regulatory policies, and allow companies to buy CO2 offsets (e.g., by paying for the planting of trees) instead of reducing their emissions or buying permits. Such complexities make it impossible to compare the impact of CO2 policies among countries, which in turn would invite those who want to protect domestic jobs to argue for higher tariff levels.

There is no easy answer to this problem. But before rushing to impose tariffs, it is important to remember that cap-and-trade policies would not be the only government source of differences in competitiveness. Better roads, ports, and even schools all contribute to a country’s competitiveness. No one attempts to use tariffs to balance those government-created differences in competitiveness, and there should be no such attempts if a cap-and-trade system is introduced.

If an international agreement to impose a cap-and-trade scheme is adopted in Copenhagen, the countries there should agree as well that there will be no attempt to introduce offsetting tariffs that would ultimately threaten our global system of free trade.

Fonte: Project Syndicate

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Chamar país de Belíndia não é mais correto

Ele é o nosso melhor economista vivo e , seguramente, o mais conhecido e respeitado fora do grande bananão, inclusive no campo desenvolvimentista. Na entrevista abaixo, ele mais uma vez exagera os beneficios da privatização, o que, ironicamente, o coloca em posição parecida, ainda que oposta, aos adoradores da estatização. Prefiro ficar no meio termo: há beneficios e problemas na privatização e na estatização. Analise caso a caso me parece ser a melhor opção. Já em relação a conversibilidade plena do real, tenho serias dúvidas quanto a sua funcionalidade.

FOLHA - O Real de FHC trouxe estabilidade monetária. O Real de Lula produziu crescimento de renda, aumento do crédito e emprego formal. A comparação é apropriada?
EDMAR BACHA - Não é tão simples assim. Em 1994, o Real trouxe uma parada súbita e duradoura da inflação, o que não é pouca coisa. O governo de Fernando Henrique também fez reformas difíceis, das quais o presidente Lula beneficiou-se. Além disso, os deuses determinaram sucessivas crises internacionais no nosso período [México em 1995, Ásia em 1997, Rússia em 1998 e Argentina em 2001]. Tivemos um cenário internacional muito hostil. O Lula teve o benefício de herdar as reformas já feitas. Teve, com elas, liberdade para administrar o Estado. Além disso, contou com o céu de brigadeiro. Nunca antes na história dos povos houve um período de crescimento tão vigoroso quanto o verificado entre 2002 e 2007.

FOLHA - E os méritos de Lula?
BACHA - Em primeiro lugar, Lula sempre teve muito presente a importância da estabilidade de preços para manter o poder de compra dos salários. É uma qualidade dele, não do PT. O presidente também aprofundou os programas sociais e demonstrou uma impressionante capacidade camaleônica. Quando viu que um programa não dava certo, simplesmente o abandonou. Quando percebeu que o Fome Zero não funcionava, tratou de aperfeiçoar o Bolsa Escola. Na educação foi a mesma coisa. O PT dizia que ia acabar com os sistemas de avaliação, extinguir o Provão. Não só não acabou como também melhorou o modelo que herdou -o Enem pode até vir a substituir o vestibular. Vejo como um talento essa sua capacidade de reconhecer os problemas, de ouvir os melhores conselhos e dispensar as porcarias que lhe sopram no ouvido.

FOLHA - E os pecados?
BACHA - Tem um pecado que só não foi mortal devido à situação econômica favorável. O governo Lula abandonou as reformas, aparentemente porque viu que era muito complicado lidar com o Congresso depois do mensalão. O governo aprovou duas ou três coisas logo no início, depois parou. Após o mensalão, tratou de fazer as composições estritamente necessárias para governar.

FOLHA - Que reformas foram adiadas?
BACHA - Refiro-me especialmente a uma palavra que virou anátema sob Lula: privatização. Se existe um pecado mortal no atual governo, é o de demonizar os mecanismos que permitem ao setor privado participar mais ativamente da provisão de bens públicos que tradicionalmente eram reserva do Estado.

FOLHA - Mas a palavra privatização é impopular inclusive no PSDB...
BACHA - Sim, é verdade. Fui assessor da campanha do Mario Covas. Nós é que inventamos a palavra "desestatização" porque ele não queria usar privatização. E, quando Covas pregou o choque do capitalismo em um discurso, passou o resto da campanha se desculpando, dizendo que não lhe tinham interpretado corretamente.

FOLHA - Por que esse discurso antiprivatização é tão poderoso?
BACHA - As pessoas se convenceram de que, se algo é estatal, isso lhes pertence, quando muitas vezes o que lhes pertence são apenas os custos de sustentação da estatal.

FOLHA - Dado que tucanos e petistas têm a mesma receita contra a crise econômica, é possível formular um discurso eleitoral de oposição?
BACHA - Em termos de resposta à crise econômica, os limites são estreitos mesmo, mas é um retrato do amadurecimento do país. Felizmente ninguém está propondo o socialismo do século 21 como resposta à crise. Esse amadurecimento também é produto do Plano Real. Antes dele havia sempre presente, no cardápio de alternativas políticas, a ideia de que o Brasil podia ir para qualquer lado.

FOLHA - O senhor criou o termo Belíndia para retratar a desigualdade social. O termo ainda é válido?
BACHA - A desigualdade ainda é um traço forte, mas a combinação de crescimento com estabilidade e programas sociais melhora muito a parte "Índia" do Brasil. Sob esse ponto de vista, não é mais correto falar em Belíndia. Talvez o termo composto proposto por Delfim Netto seja hoje mais apropriado: Ingana -impostos da Inglaterra e serviços públicos de Gana. De qualquer modo, pelo menos conseguimos evitar a Banglabânia -Bangladesh com Albânia- que Mário Henrique Simonsen tanto temia.

FOLHA - O Real trouxe estabilidade ao país, mas também o risco renitente de sobrevalorização cambial. Como resolver esse problema?
BACHA - Trata-se de um dilema natural do sistema de câmbio flexível aliado ao regime de metas inflacionárias. É um problema mesmo. Para atacá-lo, poderíamos tornar o real uma moeda conversível de fato, pondo fim ao estigma da evasão de divisas e à mentalidade de que as pessoas não podem manter o dinheiro lá fora. Seria uma maneira natural de evitar a valorização excessiva do real. Agora que o governo está propondo acordos de trocas comerciais usando moedas nacionais com a Argentina e a China, inclusive para desbancar o dólar, talvez seja a hora de observar que tudo isso seria muito facilitado caso o real fosse uma moeda conversível.

Fonte: FSP