segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

In Egypt, the Time Has Come for Mubarak to Go

Bom artigo sobre a situação política no Egito

Events in the streets of Cairo and Egypt's other cities are unfolding at a dizzying pace as the Egyptian people demand an end to the 30 year reign of Hosni Mubarak. In the past four days, the much-feared security police have lost control of the streets, the Egyptian army has entered the main squares but is embracing rather than shooting the demonstrators, President Mubarak has dismissed his government, and—for the first time in his very long reign—has now appointed a successor (that is not his son). None of this was even imaginable a week ago. And it all has profound significance for American interests in the Middle East.
Since the Nixon-Kissinger era, Egypt has served as the strategic cornerstone of U.S. policy in this volatile region. As the largest, militarily most powerful, and culturally most influential country in the Arab world, Egypt has disproportionate influence on the course of events there. And the Egyptian-U.S. alliance has been fundamentally important both to war and peace in the Middle East.

The peace between Egypt and Israel, forged in the 1970s by Mubarak's predecessor Anwar Sadat, with the active involvement of the United States, has made it impossible for other Arab states to consider going to war with Israel. With Egypt out of the picture, they have all now come to the point where they are willing to end the conflict with Israel. Similarly, the wars the United States is fighting in Iraq and Afghanistan have been made possible by the flow of forces and materiel through Egypt's Suez Canal and Cairo West air base. And Egypt's support for U.S. endeavors in both arenas has been critically important in ensuring broader Arab support.

Put simply, all of our interests in the Middle East—from promoting stability, to resolving the Arab-Israeli conflict, to ensuring the free-flow of oil at reasonable prices, to containing the influence of Iran and its radical Hamas and Hezbollah proxies—all of them will be much harder, if not impossible, to protect, if we lose Egypt.

But here's the horrible dilemma that President Obama now finds himself in. If he distances the United States from Mubarak, he risks toppling a critically important Arab ally which could generate a tsunami of instability that could shake the foundations of all of America's autocratic Arab allies across the region. Yet if he does not distance the U.S. from the Egyptian pharaoh, he risks alienating the Egyptian people, helping to open the way to a theocratic regime that would be fundamentally anti-American.

Fortunately, we know the consequences of being on the wrong side of history, because we have been living with them ever since the overthrow of the Shah of Iran in 1978 and his replacement by the anti-American ayatollahs. The Shah, like Mubarak, represented a strategic pillar, protecting U.S. interests in the critically important Persian Gulf. Jimmy Carter pressed the Shah to undertake political reforms and respect the human rights of his people, but then backed off for the sake of stability. Similarly, George W. Bush pressed Mubarak to open up political space for a moderate Egyptian opposition to emerge and then backed off after Hamas won the Palestinian elections.

At this point, facing by far the biggest foreign policy crisis of his presidency, Obama cannot afford to backtrack. Yesterday, he came out publicly on the side of the Egyptian people, insisting that Mubarak undertake significant reforms. But it is surely clear by now that the people will settle for nothing less than the removal of Mubarak. So Obama's options are narrowing. He will soon have to decide whether to tell Mubarak that the United States no longer supports him and that it's time for him to go.

Fortunately, Mubarak's appointment of Omar Suleiman, the head of Military Intelligence, as his vice president and successor, has made it more possible for Obama to pursue this option with less fear of the potential destabilizing consequences. The United States has a good deal of leverage on the Egyptian military because we have trained, equipped and paid for their armaments. They now hold the key to a positive resolution of this crisis. Mubarak may have appointed Suleiman to shore up military support for his presidency, but he is now dependent on the same military for his survival and they may be willing to abandon him to ensure their own.

That's the door on which Obama now needs to push. Suleiman needs to be encouraged to take over as Egypt's new president, order the military to prevent looting but not harm the demonstrators, and announce that he will only serve for six months until free and fair elections allow for a legitimate president to form a new government. If he can put this understanding in place, Obama then needs to call Mubarak and tell him gently but firmly that for the good of his country it's time for him to go.

Martin S. Indyk, Vice President and Director, Foreign Policy

Fonte: Brookings

domingo, 30 de janeiro de 2011

sábado, 29 de janeiro de 2011

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Glaeser e o "moral heart of economics"

Artigo interessante e controverso do Glaeser, professor de economia de Harvard, sobre o núcleo duro da moral(etica) em economia: freedom. Eu acho que ele tem razão; para entender o dilema entre liberdade e igualdade a melhor leitura ainda é Isaiah Berlin, um autor genial e, naturalmente, desconhecido na "waste land" do marxismo talebã,

Economists often present a cold public persona, emphasizing dollars and sense over the rousing rhetoric of moral argument. But by appearing as technocrats who seem concerned only with the bottom line, we allow ourselves to be portrayed as people without a sense of right and wrong.

Two weeks ago, I wrote about ethics and economics, calling for appropriate steps that economists could take to disclose conflicts of interest. Today, I focus on a larger issue: the complaint that economics is a discipline without a moral core.

Modern economics began with Adam Smith and the Scottish Enlightenment, a movement full of ethical debate by thinkers like David Hume, Francis Hutcheson and Lord Kames. Smith himself, who followed his teacher Hutcheson in the chair of moral philosophy at the University of Glasgow, wrote “The Theory of Moral Sentiments,” which included such ideas as “to feel much for others and little for ourselves, that to restrain our selfish, and to indulge our benevolent affections, constitutes the perfection of human nature.”

As Smith moved from moral sentiments to political economy, his focus changed from the perfection of private nature to the improvement of public systems. Most economic writing since then has typically shied away from offering moral advice to individuals and instead focused on improving public institutions and policies.

But that shift doesn’t mean that there isn’t a deep moral tenet – a belief in the value of human freedom – at the core of our discipline.

Some economists made that belief explicit. In the 18th century, Smith wrote, “Every man is, no doubt, by nature, first and principally recommended to his own care; and as he is fitter to take care of himself than of any other person, it is fit and right that it should be so.”

In the 19th century, John Stuart Mill asserted, “The only freedom which deserves the name is that of pursuing our own good in our own way, so long as we do not attempt to deprive others of theirs, or impede their efforts to obtain it.”

In the last century, Milton Friedman offered “freedom is a rare and delicate flower” and “a society that puts equality — in the sense of equality of outcome — ahead of freedom will end up with neither equality nor freedom.”

Economists, like Friedman, often made the case that freedom had instrumental value — it achieved other aims, including equality and prosperity. But no one should doubt that Friedman and Mill and Smith saw freedom as a fundamental good, a thing to be valued for itself. That is, after all, how freedom is treated at the very heart of economic theory.

Because our teaching is so mathematical and formal, it’s easy to miss that we start by making a huge leap, that is basically moral, not mathematical.

Teachers of first-year graduate courses in economic theory, like me, often begin by discussing the assumption that individuals can rank their preferred outcomes. We then propose a measure — a ranking mechanism called a utility function — that follows people’s preferences.

If there were 1,000 outcomes, an equivalent utility function could be defined by giving the most favored outcome a value of 1,000, the second best outcome a value of 999 and so forth. This “utility function” has nothing to do with happiness or self-satisfaction; it’s just a mathematical convenience for ranking people’s choices.

But then we turn to welfare, and that’s where we make our great leap.

Improvements in welfare occur when there are improvements in utility, and those occur only when an individual gets an option that wasn’t previously available. We typically prove that someone’s welfare has increased when the person has an increased set of choices.

When we make that assumption (which is hotly contested by some people, especially psychologists), we essentially assume that the fundamental objective of public policy is to increase freedom of choice.

Our opponents have every right to contend that economists are unwisely idolizing liberty, but they err by saying we sail without a moral North Star.

Economists’ fondness for freedom rarely implies any particular policy program. A fondness for freedom is perfectly compatible with favoring redistribution, which can be seen as increasing one person’s choices at the expense of the choices of another, or with Keynesianism and its emphasis on anticyclical public spending.

Many regulations can even be seen as force for freedom, like financial rules that help give all investors the freedom to invest in stocks by trying to level the playing field.

The belief in freedom does, however, create a predilection for human interaction and trade. As Friedman wrote, “The most important single central fact about a free market is that no exchange takes place unless both parties benefit.” For many economists, defending free trade isn’t just about gross domestic product; it’s fighting for core values of freedom and human interdependence.

As Smith said, “To give the monopoly of the home market to the produce of domestic industry, in any particular art or manufacture, is in some measure to direct private people in what manner they ought to employ their capitals, and must, in almost all cases, be either a useless or a hurtful regulation.”

Economists are often wary of moral exhortation, as many see the harm so often wrought by arguments that are long on passion and short on sense. But don’t think that our discipline doesn’t have a moral spine beneath all the algebra. That spine is a fundamental belief in freedom.

Fonte: NYTimes

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Investimento, poupanca e emprego na leitura de Oreiro

Bom artigo do Jose luis Oreiro da UNB no valor de hoje. É sempre bom encontrar um leitor de Pasinetti e Kaldor, economistas, keynesianos, do primeiro time que estudei no curso do Ferdinando Targetti na Bocconi. Alias, o Targetti tem um ótimo livro sobre o Kaldor, superior, na minha opinião, ao escrito pelo Thirlwall. Infelizmente Pasinetti e Kaldor são desprezados na "waste land" do marxismo talebã.

Recentemente temos observado alguns analistas afirmarem que a economia brasileira se defronta com dificuldades maiores para o controle inflacionário em função da situação de "pleno emprego" em que se encontra, devido ao crescimento acelerado dos últimos 12 meses.

Nesse contexto seria impossível manter a inflação dentro da meta definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) ao mesmo tempo em que se aumenta a taxa de investimento dos atuais 19% do Produto Interno Bruto (PIB) para 24% no final de 2014, percentual requerido para um crescimento sustentado de 5,5% ao ano da economia brasileira.

Dessa forma, o aumento necessário da taxa de investimento só seria possível, num contexto de estabilidade inflacionária, se for realizado conjuntamente com um forte ajuste fiscal que permitisse um aumento da "poupança pública". Tal ajuste viabilizaria uma mudança na composição da demanda agregada, ou seja, um aumento da participação do investimento e uma redução da participação do consumo, sem a geração de pressões inflacionárias adicionais para a economia brasileira.

À primeira vista, esse raciocínio pode parecer anti-keynesiano. Com efeito, um dos "teoremas" fundamentais do keynesianismo é que o investimento determina a poupança, de tal maneira que um aumento da poupança, ou seja, uma redução do consumo (tanto privado como público) nunca pode ser vista como condição necessária para o aumento do investimento.

Com efeito, a validade universal do "princípio da demanda efetiva" (Ver o artigo de Luigi Pasinetti na coletânea "A Second Edition of the General Theory", publicada em 1997) estabelece que, independente do estado no qual a economia se encontra, o investimento sempre determina a poupança. No entanto, os mecanismos pelos quais essa determinação se processa dependem, criticamente, do regime no qual a economia opera, ou seja, se a economia opera com desemprego (e/ou subutilização de capacidade produtiva) ou pleno emprego (e/ou plena utilização da capacidade produtiva).

No regime keynesiano típico, a economia opera com desemprego involuntário da força de trabalho e subutilização da capacidade produtiva. Nesse contexto, um aumento do investimento, viabilizado pelo crescimento da disponibilidade de financiamento bancário - o qual é independente de "poupança prévia" - gera um aumento da demanda agregada pelo conhecido processo do "multiplicador dos gastos autônomos".

Ao final do processo do multiplicador, a renda agregada terá aumentado numa magnitude tal que a sociedade estará disposta a aumentar a sua poupança numa magnitude exatamente equivalente ao aumento realizado do investimento. Ao longo desse processo, observa-se um aumento simultâneo do investimento e do consumo, permitido pela elasticidade da oferta agregada a curto prazo.

O mesmo raciocínio não é válido numa economia que opera com pleno emprego. Nesse regime, o qual denominaremos de regime Kaldoriano (em homenagem ao economista keynesiano Nickolas Kaldor), a oferta agregada é inelástica a curto prazo. Dessa forma, um aumento do investimento irá produzir a expansão da demanda agregada (lembrando que o efeito demanda do investimento antecede temporalmente o efeito capacidade), o qual resultará numa elevação do nível de preços (ou da taxa de inflação) dada a inelasticidade da oferta agregada.

Como os salários nominais são reajustados numa frequência sempre menor do que os preços, ocorrerá necessariamente uma queda do salário real e um aumento da participação dos lucros na renda nacional. Como a propensão a poupar a partir dos lucros é superior à propensão a poupar a partir dos salários, essa mudança na distribuição funcional da renda irá gerar um aumento da poupança agregada na exata magnitude do aumento do investimento.

Diferentemente do que ocorria no regime keynesiano, observa-se aqui que o aumento do investimento foi seguido por uma redução do consumo.

Isso posto, se a economia brasileira estiver, de fato, operando com pleno emprego (o que é uma questão empírica, não teórica), o aumento requerido da taxa de investimento para viabilizar um crescimento de longo prazo de 5,5% ao ano só será possível em um dos dois cenários: 1) o governo mantém o compromisso com a estabilidade da taxa de inflação na meta definida pelo CMN e realiza um forte ajuste fiscal para "abrir espaço" no PIB para o aumento não inflacionário do investimento; ou 2) o governo produz uma reforma no regime de metas de inflação, admitindo que a convergência da inflação se dará num prazo maior, de preferência longo o suficiente para permitir a maturação dos novos projetos de investimento (dois ou três anos).

Se optar pelo segundo cenário, o aumento do investimento talvez possa ser feito sem um ajuste fiscal (a depender ainda da viabilização de um maior investimento público); mas haverá uma redução persistente do salário real e da parcela da renda nacional apropriada pelo trabalho.

Cabe à presidente eleita escolher qual dessas opções é a mais desejável do ponto de vista social.

Fonte: Valor

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Ainda o financiamento do déficit externo

Bom artigo do Vinicius Torres Freire, colunista do jornal da ditabranda , sobre o o setor externo. Como mencionado em outros posts, o financiamento do déficit externo não é mais um problema e, portanto, impedimento para o desenvolvimento econômico do grande bananão. Ele ainda tem dúvidas, mas isto já é um grande avanço, se comparado a sua posição anterior e a geração de bons economistas que não consegue superar o trauma do passado.

No terço final de 2010, houve uma surpresa positiva nas contas externas do Brasil: a deterioração no saldo das transações correntes foi menor do que a estimada. Além do mais, o deficit foi coberto por investimento externo dito produtivo.
O saldo em transações correntes é a diferença entre entradas e saídas de dinheiro relativas a pagamentos de juros, lucros, serviços e comércio, grosso modo. Considera-se saudável, em tese, que o deficit nas transações correntes seja financiado por capital externo "produtivo" (não por dívida) -desde que o deficit não cresça rápido demais e não passe de um certo nível em relação ao PIB. Mas qual é esse nível?
A discussão desse trauma histórico da economia brasileira ressuscitou em 2008, quando o país voltou a apresentar deficit externos após raros anos de superavit. De modo recorrente, o Brasil entrava em crises ou mesmo quebrava depois de um ciclo de crescimento, de consumo e endividamento externo excessivos. Seguiam-se uma debandada de investidores externos temerosos de calote, desvalorizações radicais da moeda, inflações, recessões e pedidos de esmola ao FMI. A última crise desse tipo ocorreu no final de 1998 (em 2002, o rolo deveu-se também ao medo da vitória do PT).
Nos anos Lula, mas apenas em parte devido ao governo Lula, o estado das contas externas melhorou muito. O valor das exportações cresceu rápido, houve superavit externos e a dívida externa foi, na prática, paga por volta de 2007. Na rubrica "rendas" das contas externas, o pagamento de lucros e dividendos para o capital externo superou em muito o pagamento de juros a partir de 2006 (quando essa relação foi inversa, quase sempre o Brasil esteve no bico do corvo). Melhorou a composição do "passivo externo".
Na conta de rendas, os pagamentos ora pois devem-se mais a investimentos, não a dívidas: à renda do capital "produtivo", o que implica também vantagem "cíclica". Numa economia em recessão, a remessa de lucros e dividendos também tende a cair, o que não é o caso de juros de dívida, o que tanta vez obrigou o país a tirar leite de pedra a fim de tentar honrar seus compromissos.
A incógnita maior nas contas externas segue sendo o tamanho financiável do deficit externo e sua velocidade aceitável de crescimento. O deficit foi de zero no final de 2007 a 2,28% do PIB no final de 2010. O Brasil quebrava quando o deficit chegava a uns 4% do PIB.
Mas então a economia e o setor público eram muito desarrumados. E não havia a perspectiva de crescimento do PIB, das exportações de commodities que o Brasil produz (efeito China-emergentes) e dos investimentos externos associados a tal fenômeno (mas não só a ele).
Deficit em conta-corrente significa que um país consome e/ou investe excessivamente. O excesso tem de ser coberto por dinheiro ou produção do exterior. Estima-se que o deficit chegue a quase 3% do PIB neste ano, mesmo com o esfriamento da economia. Mas o resultado de 2010 permite alguma dúvida positiva sobre o deficit e seu financiamento (excluída a hipótese de quebras na Europa ou na China). A pergunta que fica é se também teria mudado de forma duradoura o problema do financiamento do deficit externo: poderemos crescer durante muitos anos com um deficit grande? Desta vez seria diferente?

Fonte: FSP

terça-feira, 25 de janeiro de 2011


Em entrevista ao Guardian e publicada hoje no jornal da ditabranda Hobsbawn , confessa que "Ideologicamente, hoje me sinto mais em casa na América Latina. É o único lugar no mundo em que as pessoas fazem política e falam dela na velha linguagem -a dos séculos 19 e 20, de socialismo, comunismo e marxismo." Bom escritor, stalinista da velha cepa - nunca deixou o pc britanico- ele em poucas palavras e sem intenção de faze-lo, apresenta um ótimo diagnóstico dos problemas da america latina: ter parado no tempo. Este é um problema à esquerda e à direita do espectro político e na universidade tem um peso ainda maior. Em várias delas uma versão empobrecida do marxismo transformou-se em nova ortodoxia, que dificilmente agradaria ao velho barba, que se não era um pensador do primeiro time, tinha lá seus meritos. Em economia nunca passou de um ricardiano menor, mas com qualidade muito superior a seus discipulos que se passam por economistas....

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

domingo, 23 de janeiro de 2011

sábado, 22 de janeiro de 2011

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Real Men Find Real Utopias

Divertida e ferina resenha escrita por Jacoby. A avaliação dele dos marxistas acadêmicos americanos não é muito diferente da que apresentamos, com alguma frequencia, do marxismo

Envisioning Real Utopias
by Erik Olin Wright
Verso, 2010, 394 pp.

A BOOK on utopias by a Marxist sociologist seems promising, perhaps even courageous. In Envisioning Real Utopias, Erik Olin Wright seeks to counter widespread cynicism about radical social transformation. To do this he offers what he calls “real utopias,” which might appear a contradiction or oxymoron. For Wright, however, utopias are not fantasies, or not only fantasies. In the current period we need “hard-nosed proposals for pragmatically improving our lives” or utopian ideals grounded in reality. Wright not only provides examples of “real utopias,” but situates them within the broader framework of an “emancipatory social science,” a task that involves understanding how capitalism can be transformed.

Even more promising, Wright wants his book accessible to those “not steeped in academic debates.” Everything suggests Wright has the talent to pull it off. After all, he is no old-school Marxist crank or outsider. He is a chaired professor who has just been elected president of the American Sociological Association, the premier professional organization of the field. He often lectures at universities across the globe. He teaches in what many consider the finest sociology department in the country, at the University of Wisconsin, Madison. The Madison department is where C. Wright Mills received his doctorate, and it housed his mentor, Hans Gerth, an émigré scholar who was a student of another sociologist, Karl Mannheim, whose 1929 Ideology and Utopia remains a touchstone study. These men were steeped in history and sociological thought. Gerth translated Max Weber, and together with Mills put out a collection of Weber’s writings. Mills also published an anthology, Images of Man, that contained selections of social thinkers from Durkheim to Michels and Veblen. At their best these sociologists addressed contemporary social issues with an enviable lucidity, theoretical savvy, and historical acumen.

With Wright that sociological tradition, alas, is dead. The book is startling and depressing evidence of what has happened to American academic Marxism, at least its sociological variant, over the last thirty years. It has become turgid, vapid, and self-referential. Wright lives in a bubble of like-minded sociologists and political theorists. On page 322, he thanks Marcia Kahn Wright, his wife, for suggesting to him “the term ‘interstitial’” as a way of expressing something about “strategic logic,” whatever that is. Apart from Mrs. Wright, Erik Wright’s favorite source is Erik Wright. He has read all of his works and finds them remarkable. He moves fluidly between Wright of 1985 and Wright of 2010, as if history has not changed. Actually, for Wright, history has not changed. The issues that rivet Wright unfold in an eternal graduate sociology seminar where the clock has stopped. In a memoir elsewhere, Wright comments that every September since kindergarten in 1952 he has been in school. It might be time for him to take a break.

Wright’s gargantuan theoretical edifice, with its multiple appendages, add-ons, and attachments steals all attention from “real utopias,” about which he shows little enthusiasm. He is more eager to pronounce on how to think about how to approach the preconditions that underlie the claims that support “real utopias” or on the numerous principles and subprinciples of social transformation they infer than to tell us anything about these practical ventures. “Real utopias” for Wright exist as a subset of the broader enterprise of developing an emancipatory social science. It is dirty and difficult work but some conceptually rugged professor has to do it. In fact a macho element wafts through his “Real Utopias Project,” which Wright has launched as an ongoing discussion and series of books. Real Men think about Real Utopias—or at least their punishing theoretical implications and lessons. The Real Utopian Project name came to him, he reports, while he walked his golden retriever in the early 1990s. So Wright does get out.

To elaborate an emancipatory social science means opening up theoretical nesting eggs lined up on a shelf that stretches into the horizon. Wright can barely open one set before another set pops up. That he did not label this book Volume One and promise Volumes Two through Ten shows restraint. An emancipatory social science has three components, he tell us: a systematic diagnosis of existing society, viable alternatives, and an understanding of social transformation. Underlying the first task—the diagnosis—is a theory of justice. Wright’s own theory is what he calls Radical Democratic Egalitarianism. This theory rests on two “claims,” one about social justice and one about political justice. Needless to say, these claims are complicated and difficult to spell out. Wright can only brush the surface, but the first claim “revolves around three ideas: human flourishing; necessary material and social means; broadly equal access.”

UNFORTUNATELY, THESE are not ideas; nor are they written in English. No matter. We are only on page thirteen and already we have utopias that depend on a social science that depends on a theory of justice that breaks down into two parts, social and political, the first of which subdivides in three ways. The second task of Wright’s social science envisions alternatives, which can be evaluated by three different criteria: desirability, viability, and achievability. Some things can be desired, but not viable, and viable but not achievable. In case this is opaque, Wright thoughtfully diagrams it. Figure 2.1 gives us “Three Criteria for Evaluating Social Alternatives.” Viability, for instance, breaks down into two parts, “Nonviable Alternatives” and “Viable Alternatives.” We have yet to get to the third component of his social science, “Transformation,” which relies on four theories, such as “A Theory of the underlying dynamic and trajectory of unintended social change.” So far, Wright’s book might be classified as an Undesirable Nonviable Alternative.

“What’s So Bad about Capitalism?” is Wright’s next chapter. Wright has to be given credit for parading his anticapitalist sensibilities, but his critique reads like a lecture at the hootenanny weekend of the Socialist Hiking Club, Berkeley Chapter. He distills the criticism of capitalism into eleven principles. Exploitation, profit, and alienation have disappeared from Wright’s improved Marxism. Now we have “Capitalist class relations perpetuate eliminable forms of human suffering,” “Capitalism is inefficient in certain crucial aspects,” and “Capitalist commodification threatens important broadly held values.” But why eleven propositions? Why not five—or fifty? Moreover, in their murkiness the propositions could just as well be reversed. “Capitalism is efficient in certain crucial aspects.” “Capitalist commodification supports important broadly held values.” What sinks Wright’s little boat is exactly such vacuous and clumsy statements coupled, as they are, to a relentless faux precision of definitions, diagrams, and graphs.

HIS DISCUSSION of utopia must wait until he explains what socialism is all about, which he contrasts with capitalism and something he calls statism. Wright seeks to reinvent the Marxist wheel. A hundred, perhaps a thousand, Marxists have already written about the state, state capitalism, and its many variants. But a reader would never know it. Wright seems to have hatched these ideas himself.

In any event, Wright is most interested in how socialism leads to what he calls “social empowerment,” of which there are three types. He writes that social empowerment can be “over the way state power affects economic activity” or “over the way economic power shapes economic activity” or “directly over economic activity.” Is this clear, students? Any questions about the important difference between “affects” and “shapes” or on the technical use of “over”? No? Now the difficulty begins. “These three directions of social empowerment are connected to an array of linkages among the forms of power and the economy.” How many? Wright finds at least seven, each of which he diagrams and discusses. These include such entities as “Social democratic statist economic regulation” and “Participatory socialism: statist socialism with empowered participation.”

By page 150, Wright finally turns, almost, to “real utopias.” More theoretical brush clearing is required. He will look at real utopias with three criteria: desirability, viability, and social empowerment. A hundred and twenty pages earlier he had posited desirability, viability, and achievability as the foundation of an emancipatory social science. Now he has dropped the last term and added another. Who cares? Still he is not quite ready to plunge into his subject. First he must consider types of democracy that will allow an evaluation of real utopias under the rubric of social empowerment. He posits three types—direct, representative, and associational—each of which has two forms, “thin” and “deep.” He provides a table of “The Degree of Democraticness” to visualize the six possibilities. Associational Democracy exists as a Thin “Bureaucratic corporativism” and a Deep “Democratic associational corporativism.” He offers no examples of such entities—what is deep democratic associational corporativism?—but he does introduce an acronym, without which a sociologist dies a miserable death in the profession. EPG refers to “empowered participatory governance.” Now we are methodologically armed to address real utopias.

In the next two chapters Wright takes up four examples of “real Utopias,” the budget process of Porto Alegre, a city in southern Brazil; the “social economy” of Quebec; Wikipedia; and Mondragon, the Basque cooperative corporation. The sheer randomness is stunning. Why these four? How does Wikipedia fit with the other three? Wright offers neither rhyme nor reason. Moreover, he spurns on-the-ground investigation. He cites official sources and does not appear to have made an effort to find out what these enterprises mean for their Brazilian, Basque, or Canadian participants. His main source for the Quebec Federation of Labour’s Solidarity Fund is its annual report.

Wright no sooner introduces his examples than he drops them in order to snag larger prey, sociological critters. His discussion of the decentralized budget decision-making in Porto Alegre runs five pages. He follows this with many more pages to set out the lessons he and a colleague have drawn. We have done this, he explains, “on the basis of our research on Porto Alegre . . . as well as our understanding of broader issues in the theory of democracy.” Their broad understanding has enabled them to identify seven elements of democratic enterprises. “The first six concern aspects of the internal design of EPG institutions.” Some of these might be obvious to any lay person. Who couldn’t come up with “Devolution and decentralization?” But even an informed citizen, unless trained in the broader issues of democratic theory, would probably have missed the fifth element, “Recombinant decentralization.” The seventh element “concerns an important aspect of the sociopolitical environment of such institutions which contributes to their robustness and stability.” Any questions?

WRIGHT'S DISCUSSION of Mondragon, which now owns the largest Spanish grocery chain (Eroski), takes up six pages and gives basic information, available from any source, on how it functions, but it is swamped by the succeeding twenty pages on the schemes of two leftist American economists on how to introduce socialism. Without missing a beat Wright sashays from a real cooperative in Spain to a Rube Goldberg plan of “coupon-based” market socialism as contrived by John Roemer and of “Parecon” (or “participatory economics”) as detailed by Michael Albert. In Wright’s PowerPoint sociology, Parecon might just as well be a billion-dollar Spanish corporation as a province in Canada.

For Wright, Wikipedia exemplifies “the anti-capitalist potential of information technology.” It consists of unpaid and egalitarian participation with democratic governance. For all its success, he asks, what is the impact of Wikipedia? Is it a step on the path to utopia or empowerment? Wright raises some questions before moving on to child care in Quebec (of which he diagrams four types) and the Quebec Federation of Labour’s Solidarity Fund.

With his examples out of the way Wright returns to more pressing issues, to a theory of transformation, which takes up the remainder of the book. “A fully developed theory of social transformation” consists of four components. The first is a theory of social reproduction. This assumes two forms (active and passive) that rest on three “claims” and operate in “four clusters of mechanism” (coercion, institutional rules, ideology, and material interests) that “interact in a variety of ways” that produce two especially important “configurations”: despotism and hegemony. Follow? Professor Wright will explain before turning to the four “limits and contradictions” of social reproduction such as “strategic intentionality and its ramifications” and “contingency and unpredictability.” Get that before we turn to the second component of social transformation? Actually, Wright is just warming up for his ensuing discussions of “interstitial” and “symbiotic” transformation, which are numbingly baroque and that he clarifies with diagrams that might as well be satires. He gives us a graph of “Interstitial Transformations Paving the Way to Rupture” with one axis: “Historical Time.” Wright doesn’t plot history, but Time itself.

WHAT IS one to make of this morass? Wright seems to know nothing about the history of utopian thought, communities, or cooperatives. He refers to exactly one book in the utopian tradition, Martin Buber’s 1949 Paths in Utopia. Buber’s book closed with a discussion of the kibbutz, a subject that would seem to call out to Wright. After all, the kibbutz is a “real utopia” with a socialist ethos and decades of practice. Are there lessons to be found here? Daniel Gavron’s suggestive book The Kibbutz, subtitled “Awakening from Utopia,” sought to appraise its past and future. Wright says nothing about the kibbutz or the literature on it. Nor does he say much about the “real utopias” in Brazil, Canada, and Spain. He says little about anything. The empirical information he provides is perfunctory at best. His command of Marxism seems limited. His historical reach extends to his own earlier works. His vast theoretical apparatus is jimmy-rigged and empty. The graphs are inane, the writing atrocious. To call this book dull as dish water maligns dish water.

Wright is a man of the Left and undoubtedly supports with his heart, mind, and resources good causes. Yet only sociologists force-fed as graduate students will not choke on this book. That many of them have come to adore this stuff is only striking proof of the discipline’s collapse. In a blurb, Michael Burawoy, a previous president of the American Sociological Association and a prominent leftist sociologist, calls the book “encyclopedic” in its breadth and “daunting” in its ambition. He states, “Only a thinker of Wright’s genius could sustain such a badly needed political imagination without losing analytical clarity and precision.” With the correction that Wright is no genius and that the book is suffocatingly narrow in scope, impossibly cramped in imagination, and irreparably muddy in execution, the blurb is accurate. C.Wright Mills, who despised sociological jargon, has been succeeded by Erik Olin Wright, once given the C.Wright Mills Distinguished Professor Award at Wisconsin, who cranks out sociological cant. With Wright as elected president of the sociological profession, the conservative nightmare of radicals taking over the university has in part come to pass. But if this book exemplifies academic Marxism, conservatives can rest easy. We should all fear, however, what it suggests about the contemporary university and its scholarship.

Russell Jacoby

Fonte: Dissent

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Pra depois do carnaval...

Como era esperado, por aqueles com conhecimento elementar de macroeconomia, o Copom aumentou a taxa de juros. Estranhamente os críticos de sempre à esquerda e à direita do espectro político não esboçaram, ainda, nenhuma reação crítica. O silêncio implicaria em concordância com a decisão tomada , quem sabe, resultado de um curso rapido de macroeconomia? Otimismo demais, pode ser, mas o silêncio deles não deixa de ser surpreendente.

Ah! mas em março, sim na próxima reunião do Copom, ai tudo será diferente, afinal, argumenta um velho amigo, no Brasil o ano somente começa para valer depois do carnaval. Acho que ele tem razão, temos que esperar o carnaval passar.

Naturalmente, concordo com a decisão do Bacen, em que pese o meu conhecimento ser bem aquem do elementar( leia de novo: disse aquem e não alem) há claros indicios, como mencionado em outro post, que a economia esta em ponto de bala e é preciso esfria-la um pouco. A inflação, contudo, está longe de estar fora do controle, muito pelo contrário... mas com o histórico do bananão todo cuidado é pouco.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Belluzzo potencializa dívida e sai sem título

... E ele era forte candidato à Presidente do Bacen. Felizmente o bom senso prevaleceu e nos palmeirenses pagamos o preço. Que seria uma gestão desastrosa, já sabia e argumentei em um post antigo. Nenhuma capacidade analitica era requerida para fazer este prognostico/previsão , apenas um pouco de memoria da sua atuação no plano cruzado.

Eleito como pessoa que mudaria a concepção de administração no futebol, Luiz Gonzaga Belluzzo, 68, deixa o Palmeiras sem ganhar títulos e com as finanças do clube em situação mais complicada da que encontrou.
Ao assumir o Palmeiras em 2009, usando sua fama de economista renomado, Belluzzo melhorou a imagem do clube com credores, alongou dívidas antigas a juros menores e estreitou relações com a parceira, a Traffic.
Crises, entretanto, não demoraram muito a pulular.
A demissão de treinadores (e suas respectivas rescisões) e a contratação de jogadores com salários fora do padrão foram alguns fatores que minaram a saúde financeira do clube na gestão Belluzzo.
Ao mesmo tempo que fazia essas manobras, chamadas por opositores de "Belluzzionismo", o presidente pedia grandes empréstimos para sanar dívidas do clube.
O maior deles, solicitado em 2010 e dando as cotas de direitos de transmissão de TV dos próximos cinco Paulistas como garantia, foi de R$ 39,6 milhões ao banco BMG.
No primeiro ano de sua gestão, Belluzzo fechou as contas do Palmeiras com deficit de aproximadamente R$ 40 milhões. Em 2010, o clube teve R$ 25 milhões de prejuízo. Atualmente, a dívida total do Palmeiras está perto de R$ 150 milhões.
Belluzzo também foi protagonista de declarações que mancharam sua imagem, ofendendo rivais e árbitros.
Procurado ontem, ele não respondeu às ligações.

Fonte: FSP

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Tristes tempos

Ainda há mortos para serem enterrados, desaparecidos, lama e todo cenário de filme catastrofe do anos 70. Mas é real, eu sei, logo ali, em lugar abençoado por Deus. A exuberancia da vegetação, montanhas, o vale, e o encontro com o criador. Neste cenário desolador a nova direita já mostra suas garras e parte para o ataque a nova administração em Brasilia. A lua de mel não era esperada ,haja vista a reação do lider da nova direita no discurso que reconheceu a sua derrota: arrogante e rude, como sempre. Abutre que é, reuniu suas tropas e deu ordens ao seu grande aliado - aquele que militava em um partido que considerava a russia o paraiso dos trabalhadores - para preparar o ataque.

Tristes tempos, realmente muito triste...uma terra desolada....

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

A taxa deverá subir mais que o esperado em 2011...

A alta dos preços dos alimentos e seu impacto sobre a inflação é a grande dor de cabeça de vários países emergentes em 2011, dentre eles o Brasil. Não se trata, naturalmente, de um retorno ao descontrole do passado, mas uma combinação de bons resultados na esfera econômica com problemas climaticos, com aumento da demanda e redução da oferta. No caso brasileiro o destaque maior é o pleno emprego que fortalece o poder de barganha dos sindicatos.

Neste cenário é inevitável o retorno a velha e injustamente criticada politica de taxa de juros do Bacen. Ela deverá voltar a subir, mais cedo e para um valor maior que o esperado. Qual será o comportamento da turma de sempre? Afinal tiveram algum tempo para estudar os rudimentos da boa macroeconomia e, portanto, nos poupar das tolices de sempre.

domingo, 16 de janeiro de 2011

sábado, 15 de janeiro de 2011

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011


A semana se encerra com certo alivio na zona do euro: Portugal, Espanha e Italia conseguiram se sair muito melhor que o esperado e por isto não foi necessário pedir socorro. É dificil saber se ganharam uma pequena sobrevida ou se seria o encerramento de um ciclo em que a Grecia foi a vitima mais mais barulhenta. Há várias apostas, dependendo é claro do otimismo de quem as faz. Pessimista, por natureza, acredito que no caso de Portugal e Espanha a primeira opção é a correta, o que não implica afirmar que o futuro de ambos será o mesmo da Grecia, apenas que será um longo processo de gato e rato ao longo do ano.

O mercado, esta estranha figura malevola continua sedento de sangue, diria um marxista talebã e é apenas uma questao de tempo para que o ataque produza o resultado esperado e ai viria o famoso e esperado Derrumbre. Meu pessimismo não chega a tanto, mas mantenho a avaliação expressa em outros posts: o céu esta longe de ser de brigadeiro e alguma forma de reestruturação da dividas dos paises da periferia da zona do euro me parece inevitável no medio prazo.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

O esforçado economista da Ditadura

Ele tem razão. Há um forte determinismo/mecanicismo nos argumentos apresentados pelos defensores da tese de "doença holandesa"e "desindustrialização" que tem atrapalhado o debate sobre politica econômica no grande bananão. Nakano, como mencionamos no post de ontem, esta procurando uma saida desta rota equivocada. Resta saber qual será o comportamento dos demais, principalmente da nova geração e do recem nomeado para a secretária de política economica da fazenda.

Provavelmente não há nada que tenha confundido mais a discussão sobre os efeitos da taxa de câmbio supervalorizada do que duas expressões que definem conceitos ambíguos e simplificadores: o de "doença holandesa" e o de "desindustrialização".

Poderemos, talvez, vir a sofrer a primeira doença se não atentarmos para o que nos ensinam os países que não souberam aproveitar com inteligência sua abundância de recursos naturais relativamente escassos (como é o caso do nosso petróleo do pré-sal).,

Mas não se trata de uma fatalidade histórica. Poderemos, eventualmente, ser atacados pela segunda se continuarmos a repetir os erros do passado, usando a supervalorização do câmbio como instrumento oportunístico para combater a inflação, na esperança de que o sistema de câmbio flutuante garantirá, sem sobressaltos, o financiamento eterno dos deficits em conta corrente.

Enquanto a diferença entre a taxa de juros real interna e a externa continuar superior ao "risco Brasil", a taxa de câmbio nunca será o velho preço relativo que assegurava o valor do fluxo dos importados com o dos exportados.

Continuará a ser o que é hoje: um ativo financeiro nos milhões de portfólios dos agentes que frequentam o imenso mercado internacional de moeda, cerca de 20 vezes maior que o valor dos de bens e serviços comercializados.

Em 2030, teremos de dar emprego de boa qualidade a 150 milhões de pessoas, o que não será possível sem o crescimento da indústria e dos serviços dela decorrentes que o câmbio valorizado está destruindo.

Parece claro que, vista do Brasil, a supervalorização do real teria sido um pouco menor se nossa política fiscal tivesse sido mais agressiva. Mas não se deve tomar a nuvem por Juno e sugerir que esse é o único problema.

Primeiro, porque a relação entre a política fiscal e o deficit em conta corrente tem múltiplos canais. Segundo, porque, por maior que tenha sido a sessão de tortura a que os economistas submeteram os dados, o que viram (além de indecisões) é que um aumento do superavit fiscal igual a 1% do PIB parece não gerar redução maior que 0,2% ou 0,3% do PIB, do deficit em conta corrente, depois de 2/3 anos.

É tempo de perder as ilusões e de pendurar-se em modelos abstratos.

Precisamos de um programa econômico sólido, que coordene as políticas fiscal e monetária e dê musculatura e coragem ao Banco Central para -com os cuidados necessários- dar um sinal claro e crível ao mercado de que caminharemos mesmo para a redução da taxa de juro real e resolver o problema do câmbio.

Fonte: Folha

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

O velho e bom Nakano esta de volta....

Bom artigo do Nakano. Finalmente a discussão sobre política econômica no grande bananão parece ter encontrado o rumo certo. Discordo da leitura dele sobre o câmbio, mas, ela, pelo menos, foge da banalidade da tese da desindustrialização.

No seu discurso de posse, o novo presidente do Banco Central (BC) falou em reduzir a meta de inflação. Tem toda razão e merece aplausos. É possível sim alcançar taxa de inflação menor comparável à dos demais países do mundo. Basta elevar os juros que a taxa de câmbio se apreciará ainda mais e a demanda agregada sofrerá queda, e ambos pressionarão para baixo a inflação.

Mas o seu custo não será tolerado pela sociedade. E o ganho na luta contra inflação será temporário. O câmbio apreciado reduzirá o preço dos importados e a inflação no curto prazo, mas no médio prazo o déficit em transações correntes se tornará insustentável, desencadeando uma crise cambial e de balanço de pagamentos com inflação explosiva. Com juros mais altos, a taxa de investimento será reduzida e com isso o produto potencial crescerá menos, anulando seus efeitos anti-inflacionários, e a taxa de crescimento voltará aos níveis pré-Lula, fato que certamente não será aceito pelo eleitorado brasileiro.

Para reduzir a meta de inflação é preciso antes aprimorá-la, dando-lhe maior coerência, consistência e principalmente maior potência ao seu instrumento. Para começar, é preciso previamente desindexar todos os preços. Todos sabem que a lei que instituiu o Plano Real desindexou parcialmente a economia brasileira. Por exemplo, os contratos de mais de um ano têm que ter uma cláusula obrigatória de indexação. Com isso, um número muito grande de bens e serviços, incluindo os públicos, têm a inflação presente determinada pela inflação passada.
No setor financeiro, o Plano Real manteve intacto o regime monetário do período de hiperinflação, com a moeda na sua base (reservas bancárias, fundos etc.) indexada à taxa de juros diária (Selic/CDI). É preciso, depois de 15 anos de estabilização de preços ancorada na taxa de câmbio, fazer a estabilidade monetária, eliminando as heranças do período de hiperinflação. Não tem sentido manter ativos financeiros indexados à taxa diária de juros num contexto em que o novo presidente do BC está certamente imaginando meta de inflação de 2% ou 3% ao ano. Mais aloprado ainda é a taxa de juros das aplicações "overnight" pagar a mesma taxa Selic dos títulos de longo prazo do Tesouro Nacional: é lógico que o Banco Central aniquila a formação de um mercado de poupança de longo prazo, aprisionando os poupadores no mercado de moeda, dando-lhes liquidez e remuneração correspondente à de títulos de longo prazo.

Essa aberração tem que ser eliminada. Assim, desindexados os ativos financeiros, o novo instrumento de política monetária terá seu poder de ação multiplicado, tornando também desnecessária a manutenção dos juros num patamar tão elevado. Com juros prefixados, qualquer elevação da taxa básica do Banco Central reduzirá o valor dos ativos do sistema bancário e a riqueza financeira, com contração maior no crédito bancário que, associado ao maior efeito riqueza, desencadearão uma cadeia de reações com fortes impactos contorcionistas sobre a demanda agregada. O setor financeiro passará a detestar juros elevados! Assim, é preciso fazer uma faxina completa eliminando todos os entulhos do período de hiperinflação.

Num regime de metas, o indicador de inflação que deve orientar a política monetária não pode ser o índice convencional de inflação, tal como o IPCA. Estes índices refletem componentes transitórios, enquanto o Banco Central deverá orientar-se pelos componentes persistentes, particularmente determinados pela demanda sobre a qual seu instrumento atua. Além disso, como existe uma defasagem de muitos meses entre a tomada de decisão de elevar os juros e a sua repercussão sobre os preços, o Banco Central tem que ter um modelo de previsão acurado de inflação futura, para os próximos dois anos pelo menos. Não é correto orientar a política monetária pela inflação passada capturada pelos índices convencionais de preços, fixando metas para o ano calendário, quando sua decisão tem efeitos sobre o futuro, não respeitando o calendário. Menos aceitável ainda é o fato de a sistemática atual de reação do Banco Central ser prisioneira das expectativas de inflação futura dos bancos privados, pois gera uma promiscuidade perigosa.

Com os problemas e ineficácias acima mencionados, além de muitos outros dos quais não dá para tratar neste espaço, a taxa de câmbio acaba sendo o mecanismo de transmissão mais relevante da atual política de metas. E aqui o mínimo a ser feito é corrigir a resposta assimétrica do Banco Central. Se este reage à depreciação da taxa de câmbio, deve também reagir simetricamente à apreciação, atuando de forma neutra, já que ele não fixou nenhuma meta de taxa de câmbio. Ou temos que rever e explicitar a meta de câmbio. Tomando-se o período de câmbio flexível, observa-se que o Banco Central sempre respondeu energicamente quando a taxa de câmbio se depreciou, pois sabemos que isto aumenta a taxa de inflação. A mesma reação não se verifica quando a taxa de câmbio se aprecia, gerando com isso um viés no sentido da persistente apreciação com consequências desastrosas no médio e longo prazo para o crescimento e equilíbrio externo. A eficácia da nossa política de metas depende muito da apreciação cambial.

Para finalizar, é elogiável que o novo presidente do Banco Central tenha tido a coragem de abrir a discussão sobre a atual política de metas de inflação, pois há muito a ser aperfeiçoado.

Yoshiaki Nakano , ex-secretário da Fazenda do governo Mário Covas (SP), professor e diretor da Escola de Economia de São Paulo da FGV/EESP

Fonte: Valor

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

100 caipira

Ainda não complementou um mês, mas o PIG já iniciou seu ataque, esperado, ao Governo Dilma. Quem contava com um período de lua de mel, tradicional em países com alguma tradição democratica, deve estar desapontado, já para este pobre escriba, trata-se de roteiro previsivel.

Ainda que esperado, não deixa, contudo, de ser surpreendente a virulência e rapidez da desconstrução do candidato do PIG e da direita velha e nova. Sua administração apresentada durante a campanha eleitorial como modelo de excelência a ser copiado e replicado no Governo Federal, finalmente é apresentada com suas cores verdadeiras. Um conjunto de escolhas equivocadas que felizmente vem sendo revistas pelo novo Governador de São Paulo. A sabedoria caipira , sempre criticada e esnobada, tem a sua oportunidade de ouro de mostrar serviço e competencia aos arrogantes que somente se sentem em casa em algum canto de Paris.

domingo, 9 de janeiro de 2011

sábado, 8 de janeiro de 2011

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Lembrando Philippa Foot

Uma das grandes da Etica das Virtudes, pertenceu a uma geração de grande filosofos da University de Oxford que revolucionou a filosofia no mundo de lingua inglesa .

Ludwig Wittgenstein once said that in philosophy, it is hard to work as slowly as you should. When the British philosopher Philippa Foot finally published “Natural Goodness,” her first and only book-length statement of her thinking, at age 80 in 2001, an editor at Oxford University Press recalled Wittgenstein’s challenge. “Well,” he said, “that is a problem that Philippa seems to have solved.”

Foot’s philosophical voyage, her “painfully slow journey,” as she put it, was long in part because it was uphill. Though born into a family of privilege — her father was a wealthy British industrialist, her mother a daughter of the U.S. president Grover Cleveland — she was given no formal education (“I was extremely ignorant,” she later said) and, being a woman, was not expected to go to college. Spurred on, however, by a governess who recognized her intelligence, Foot educated herself via correspondence courses and eventually attended Somerville College at Oxford. There, in the clubby, masculine atmosphere of high British learning, she cultivated friendships with a group of young female philosophers, among them Elizabeth Anscombe, who would become a prized student and editor of Wittgenstein’s, and Iris Murdoch, the future novelist. (Philippa would marry one of Murdoch’s former boyfriends, the historian M.R.D. Foot.)

The chief obstacle in Foot’s life, however, wasn’t educational disadvantage or social prejudice but academic orthodoxy. Returning to Oxford as a graduate student in 1945, after working in London during the war (and living in an intermittently bombed-out apartment with Murdoch), Foot became troubled by a central assumption of 20th-century moral philosophy: that facts and values are logically independent. According to this view, you can’t derive an “ought” conclusion from a series of “is” premises. Nature is composed of objective facts that we can verify through science; values are mere attitudes in our heads that we project onto the world as we like. When we engage in moral disagreement with, say, an unrepentant murderer, reasoned argument breaks down. We feel it is wrong to kill innocent people; he simply does not. There is no accounting for taste.

In the wake of the news of the concentration camps, Foot was haunted by the notion that there was no way to rationally overcome a moral standoff with a Nazi. She wanted to argue that moral evaluation (“It is wrong to kill innocent people”) is not fundamentally different from factual evaluation (“It is incorrect that the earth is flat”). A cynic should no more be able to deny the moral implications of a relevant body of evidence than a flat-earther can deny the factual implications of astronomical data. It was Anscombe, a devoted Catholic, who liberated Foot, a lifelong atheist, to dare to think in this outmoded fashion. Foot had been speaking of the conventional contrast of “ought” and “is,” and Anscombe feigned confusion. “She said: ‘Of what? What?’ ” Foot recalled. “And I thought, My God, so one doesn’t have to accept that distinction! One can say, ‘What?’!”

Incrementally, over many decades, first at Oxford and then at U.C.L.A., Foot shaped an alternative moral vision. In the late 1950s, she questioned whether you can have a recognizably moral attitude about just any set of facts. (Can you really believe that it is immoral to look at hedgehogs in the light of the moon?) By the ’70s, inspired by Anscombe’s suggestion that she revisit St. Thomas Aquinas’s ethical writings, Foot was arguing that if you focus on traditional virtues and vices like temperance and avarice instead of abstract concepts like goodness and duty, you can see the concrete connections between the conditions of human life and the objective reasons for acting morally. (Why is cowardliness a vice? Because courage is needed to face the world’s challenges.) In the ’80s, after considering how we evaluate what is “good” for plants and animals, she developed the argument, presented in “Natural Goodness,” that vice is a defect in humans in the same way that poor roots are a defect in an oak tree or poor vision a defect in an owl: the latter two assessments have clear normative implications (“oughts”), yet are entirely factual. Even from a secular scientific vantage point, you could locate good and evil in the fabric of the world.

In time, many other thinkers, academic philosophers and popular moralists alike, came to imitate or echo Foot’s efforts to secure moral truth by reflecting on the classical virtues. Looking back, she seemed to appreciate the connection between her distinctive talents and the long arc of her career. “I’m a dreadfully slow thinker, really,” she said. “But I do have a good nose for what is important.”

Fonte: NYTimes

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Conceição e o Governo Dilma....

Nem sempre concordo com suas avaliações/opiniões sobre a economia, mas, reconheço que ignora-las é uma grande tolice, já que ela é seguramente uma economista do primeiro time, apaixonada por Brasil. Alias, esta paixão, as vezes, a leva à analises equivocadas, porem anos de distância em qualidade em relação a turma que a venera....

A economista mais conhecida do Brasil, a portuguesa Maria da Conceição Tavares, espera uma administração Dilma Rousseff bem diferente da de Lula. "Dilma não se parece com o Lula. Ela tem perfil de gerente, enquanto Lula usa a habilidade política para fazer ziguezagues. Ela deve ter uma linha mais reta de tocar o governo". Na visão de Conceição, o caráter gerencial da presidente da República não é uma qualidade negativa, pelo contrário. "Ela não brinca em serviço e não vai deixar ninguém pisar em ramo verde", diz, usando uma expressão bem lusitana.
Conceição, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), acha difícil prever como Dilma se comportará politicamente, mas crê que a presidente não terá dificuldades em lidar com o ministério e nem mesmo com o Congresso, onde a oposição perdeu terreno. "Ela vai saber 'apertar os cravos' [dos ministros e dos políticos] devagarinho e na hora certa."

Ela não está pessimista em relação ao novo governo, mas ressalta duas preocupações que constituem desafios no curto e longo prazos, na sua opinião.

No curto prazo, ela chama a atenção para a concorrência internacional desvairada no pós-crise, com forte impacto sobre a balança comercial do país. "A questão envolve a necessidade da adoção de uma nova política de substituição de importação para frear a desindustrialização de setores da economia nacional", recomenda. A nova política passaria a exigir das multinacionais maiores índices de nacionalização na indústria de partes, peças e componentes, principalmente dos setores automotivo e eletroeletrônico.

No plano social, de mais longo prazo, Conceição torce para a presidente criar um fundo com recursos do pré-sal para federalizar as políticas públicas universais mais importantes de educação e saúde. "Não basta procurar erradicar a miséria. Sem avanço na educação e na saúde continuaremos subdesenvolvidos", adverte.

A economista acredita que 2011 será um ano difícil, dada a situação europeia, que representa um terço do comércio exterior brasileiro. "Não temos só o dólar desvalorizando. Há várias moedas com tendência a desvalorização, do euro ao yuan, o que aumenta brutalmente a concorrência externa , principalmente quanto temos o real sobrevalorizado."

Nesse contexto, a estagnação da economia americana não deve afetar tanto o Brasil, mas prejudica o país, porque pode levá-lo a ficar muito dependente da Ásia. "Se continuarmos dependentes da Ásia [com destaque para a China], vamos continuar com a balança comercial ligada ao primário exportador. Não é legal ficar dependente de um único continente, sobretudo um país global como o nosso", avalia Conceição.

"O novo governo tem que preparar a indústria para enfrentar os dumpings que protegem as indústrias dos países desenvolvidos, além da formação de uma cadeia asiática de integração das indústrias da China, Japão, Índia e Coreia do Sul, todas dominando alta tecnologia e dispostas a invadir o planeta com seus produtos. A América Latina não dispõe de tecnologia para enfrentar os asiáticos. É preciso avançar também na inovação."

A chegada de multinacionais de todas as origens e procedências no Brasil, inclusive chinesas, tem disseminado a instalação no país de verdadeiras linhas de montagem dependentes de importação de peças, partes e componentes, denuncia Conceição. O Ministério do Desenvolvimento, Comércio e Indústria (Mdic), pasta para a qual foi nomeado Fernando Pimentel ["um economista muito capaz"], deve agir para conter esse processo agravado com o câmbio atual. "Não basta os juros caírem para reduzir a entrada de dólares especulativos. A coisa é mais complexa."

Ela vê necessidade de o governo regular alguns procedimentos das multinacionais no balanço de pagamentos, onde o elo mais fraco é a balança comercial. "A remessa exagerada de lucros e dividendos [que cresce brutalmente] fragiliza muito o balanço de pagamentos. O governo deveria elevar a tributação do Imposto de Renda sobre essas operações para coibir abusos das empresas estrangeiras", sugere.

O controle de capitais é um instrumento que deve continuar a ser usado para pôr fim à entrada desenfreada do dinheiro especulativo, afirma a economista. "Temos dólar sobrando e as reservas têm custo. O próprio FMI reconhece hoje as benesses dessas medidas de controle, seja taxando o dinheiro na entrada ou adotando a quarentena." Ela prega ação conjunta da Fazenda e do Mdic para colocar as contas externas no rumo do equilíbrio e restaurar a competitividade dos produtos nacionais.

Ela não espera que Dilma promova um arrocho fiscal. Também não vê a política monetária afrouxando do dia para a noite. "É possível que o juro básico não baixe muito este ano, por causa da pressão inflacionária. Não vejo, porém, a inflação disparando, pois há deflação na maioria dos países . O choque de preços de alimentos é sazonal. E é de custo. O Brasil não tem inflação de demanda." No médio prazo, ela aposta que a Selic vai recuperar a trajetória de queda, como é a vontade da presidente.

Conceição faz coro à maioria dos economistas, que espera um Brasil crescendo menos em 2011. "Se a Dilma conseguir manter a economia crescendo 5% ao ano, está muito bom", diz ela.

Fonte: Valor

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Bresser Pereira: Deus foi brasileiro no governo Lula

Bom artigo do Bresser Pereira sobre o Governo Lula. Ele é sempre muito generoso, sem deixar de ser honesto em suas avaliações. Alem de ser um apaixonado pelo Brasil o que, alias, nem sempre é compreendido, já que isto parece não ser a regra no meio intelectual do grande bananão.

No Brasil, há uma frase do saber popular, "Deus é brasileiro", através da qual as pessoas manifestam sua crença na boa sorte. Cacá Diegues, a partir de uma história de João Ubaldo, fez um maravilhoso filme sobre o tema no qual Deus, cansado dos erros dos homens, sai em busca de um santo do Nordeste que o substitua enquanto ele tira merecidas férias.
Não sei se Deus é mesmo brasileiro, mas estou seguro que o foi para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva nos oito anos em que governou o Brasil. Nestes anos, o Brasil mudou, e mudou para melhor. E o presidente saiu consagrado, com um índice de aprovação popular de 87%. Lula teve muita sorte -mais do que seu antecessor. Os dois falharam em um ponto,foram impotentes diante da tendência cíclica à sobrevalorização da taxa de câmbio.
Não obstante, enquanto que nos oito anos do governo Fernando Henrique as exportações aumentaram 50%, nos oito anos de Lula, 200%. Por obra e graça do Espírito Santo, graças à elevação dos preços das commodities. A abundância de dólares corrigiu as contas externas do país, mas não criou demanda para as empresas. Esta foi sustentada e o crescimento assegurado graças a decisões de governo: o aumento do salário mínimo e as transferências para os pobres.
Não devemos, portanto, subestimar os méritos de Lula. Ele soube ajudar a sua sorte. Fez um bom governo. Um governo de centro-esquerda que beneficiou os pobres (reduziu seu número para a metade) e a burocracia pública, mas, ao contrário do que dizia o consenso hegemônico, não trouxe inflação nem prejudicou o crescimento. Um governo que não temeu desagradar os ricos. Que foi fiscalmente responsável, exceto no último ano. Que reagiu bem diante da crise financeira global de 2008 não obstante o atraso do Banco Central em baixar os juros.
Um governo que afinal logrou baixar a taxa real de juros para cerca da metade, para os atuais 5% ao ano, não obstante a advertência ortodoxa que a taxa "natural" de juros, abaixo da qual a inflação explodiria, era de 9%. Que não logrou impedir a sobreapreciação do câmbio, mas teve coragem de introduzir controles na entrada de capitais. Um governo que afinal lembrou que existe o empresário e a empresa nacional ou, em outras palavras, que existe uma nação e que esta será tanto mais forte e mais capaz de competir com as demais quanto mais clara e coesa for a coalizão política unindo empresários, burocracia pública e trabalhadores.
Um governo que projetou no mundo a imagem de um Brasil independente e equilibrado. Em uma de suas últimas falas, Lula declarou emocionado: "A minha chegada ao poder tinha que mudar o patamar de governança. Eu tinha de provar a cada dia que teria condição de governar igual ou melhor que todos os doutores que passaram pela Presidência".
As comparações entre governos são sempre muito relativas, Lula abusou delas. Ele não recebeu uma "herança maldita" de seu antecessor. Nem deixa uma herança bendita para a presidente Dilma Rousseff: o câmbio sobrevalorizado está aí sem solução à vista. Mas, nesses oito anos, exerceu extraordinária liderança, provou ter espírito republicano, e bom êxito. Deus foi brasileiro em seu governo.

Luiz Carlos Bresser-Pereira

Fonte: FSP

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Será que o tigre perde suas listras?

A festa foi bonita e histórica: mulher, ex-guerrilheira, torturada; não é todo dia que alguem com este cv assume a Presidência de um país emergente com o histórico de golpes de estado e ditaduras e pouco apreço pelo respeito aos direitos humanos. Ve-lo descer a rampa e caminhar entre a multidão, ela fazendo a inspeção ... cenas de um dia inesquecivel. Mas, nem tudo é perfeito. O retorno dele ao poder como se nada tivesse acontecido foi/é triste. Afirma ter menos poder e é verdade que, como mencionado em outro post, o católico condena o pecado e não o pecador. Contudo o simbolismo é muito forte. Dificil esquecer que ele usou o poder do Estado para humilhar e destruir a dignidade de um brasileiro simples, como já foi o ex-presidente Lula. O tiro saiu pela culatra, ele perdeu o posto e a pose,..., mas não o gosto pelo poder. Será que o tigre perde suas listras?

domingo, 2 de janeiro de 2011

sábado, 1 de janeiro de 2011