terça-feira, 31 de maio de 2011

Niall Ferguson and the brain-dead American right

Lind exagera nas tintas: Ferguson é conservador, mas é um bom historiador. O artigo é, contudo, interessante, por ser um bom exemplo do debate intelectual no mundo anglo-americano. Bem diferente do grande bananão, ainda acostumado a tapinha nas costas e a hipocrisia de sempre que garante a sobrevivência de um grande número de intelectuais pop e o niilismo de catedra do marxismo talebã .

The right-wing British historian Niall Ferguson seems to have conquered America: pushing his latest perishable book, "Civilization," this one based on the trendy and quickly dated conceit of the six (or is it seven?) "killer apps" of Western civilization; writing cover stories for Newsweek; debating foreign policy on TV with Zbigniew Brzezinski; and pouting and snarling his way through a debate about economics with Paul Krugman, Jeff Madrick and Bill Bradley. If you missed his Chicago lecture on the imminent decline of America, then at least on YouTube you can still catch him warning before the 2008 presidential election that "Islamic jihadists" and "Europeans" were hoping that John McCain would lose. Recently, it was announced that Henry Kissinger has made him his official biographer, perhaps in the hope that Ferguson, who thinks that the Kaiser should have been allowed to crush Europe, will be equally kind to Kissinger’s reputation. Time magazine in 2004 named Ferguson one of the 100 most influential people in the world, which might help to explain the condition of the world.

"The Elite Turns Against Obama," screamed a recent headline in the Daily Beast.

According to former New York Daily News gossip columnist Lloyd Grove, the evidence that "the intelligentsia" was turning against Obama consisted of a panel at the Aspen Institute, where the right-wing New York Daily News owner Mort Zuckerman agreed with Ferguson that the Democrats are hurting America. Ferguson, described as a "dashing Brit" by gossip columnist Grove, praised Republican congressman Paul Ryan’s scheme for abolishing Social Security and Medicare, a plan so callous and unpopular that other Republicans have scrambled to distance themselves from it. The Dashing Brit then told the assembled plutocrats that unemployed Americans are lazy: "The curse of long term unemployment is that if you pay people to do nothing, they’ll find themselves doing nothing for long periods of time." On an earlier occasion he created a stir when he compared Barack Obama to the lascivious cartoon character Fritz the Cat, because, he said, both are "black and lucky."

What accounts for the attention lavished by the American media on a huckster as vulgar and shallow as Niall Ferguson? His accent surely is part of the explanation. Only a combined lack of personal and national self-confidence can explain the way that America’s publishers and producers -- many of them insecure, upwardly mobile social climbers -- will fawn over a mediocre British pundit or pop historian whom they would completely ignore if he were Tony Zacarelli from Long Island or Fred Huffernagel from Oregon. Little has changed since the Midwesterner Jay Gatz, to be taken seriously on the Anglophile East Coast, had to change his name to Gatsby before he could qualify as "dashing."

Ferguson is the most prominent of a number of British conservative intellectuals and journalists who have found more sympathetic audiences in the U.S. than in their own country, where their enthusiasm for Victorian imperialism and Victorian economics stigmatizes them as cranks. His Old World accent and reactionary politics might not have been sufficient to earn Niall Ferguson his cisatlantic celebrity, were it not for the demise of American intellectual conservatism, chronicled by Sam Tanenhaus and others. The mass extinction of America’s intellectual right at the hands of anti-intellectual Jacksonian populists like the Tea Partyers has created a lack of native conservative thinkers with impressive academic credentials who are willing to dash to a TV studio at a moment’s notice. And in an era when the conservative movement is symbolized by lightweights like Glenn Beck, Ann Coulter and Jonah Goldberg, rather than William F. Buckley Jr., George Will and Irving Kristol, even Niall Ferguson can be mistaken for an intellectual.

Having begun his career as a historian of 19th-century banking, Ferguson became what in Britain is called a "television don" in 1998 with the publication of his book "The Pity of War," about World War I. Like the historian John Charmley, who expressed the same wish in the case of World War II, Ferguson belongs to the fringe element of British conservatism that regrets the absence of a German-British deal in the first half of the 20th century that would have marginalized the United States and might have allowed the British Empire to survive to this day.

According to Ferguson, Britain should have stayed out of World War I and allowed Imperial Germany to smash France and Russia and create a continental empire from the Atlantic to the Middle East. The joke is on Ferguson’s American conservative admirers, inasmuch as he laments the defeat of the Kaiser’s Germany because it accelerated the replacement of the British Empire by the United States of America and the eclipse of the City of London by Wall Street:

Had Britain stood aside -- even for a matter of weeks -- continental Europe could therefore have been transformed into something not wholly unlike the European Union we know today -- but without the massive contraction in British overseas power entailed by the fighting of two world wars ... And there plainly would not have been that great incursion of American financial and military power into European affairs which effectively marked the end of British financial predominance in the world.

Alas, the world got American primacy and decolonization rather than world domination by the City of London in league with the German General Staff. Fortunately, the U.S. can still redeem itself by re-creating the 19th-century British combination of imperialism and laissez-faire economics, a combination so unpopular in its homeland that it was repudiated by the British people themselves after 1945 without regrets, except on the part of a few far-right Tory crackpots like Niall Ferguson.

In "Colossus: The Price of America’s Empire" (2004), a slapdash tract that followed another titled "Empire: The Rise and Demise of the British World Order and the Lessons for Global Power" (2002), Ferguson declared: "Unlike most European critics of the United States, then, I believe the world needs an effective liberal empire and that the United States is the best candidate for the job." And should the neo-British American empire suffer from a shortage of willing cannon fodder, the Dashing Brit had a solution: "If one adds together the illegal immigrants, the jobless, and the convicts, there is surely ample raw material for a larger American army."

Ferguson displays a Colonel Blimpish brutality so casual that it can disgust even American conservatives. Benjamin Wallace-Wells in the Washington Monthly describes what happened when the British professor compared the tortures at Abu Ghraib to the American army’s hazing of new recruits:

"In behaving the way they did," Ferguson said, "those soldiers and military policemen [at Abu Ghraib] were largely doing to their prisoners what routinely people in the American military do to new recruits."

This was too much for even the conservatives in the audience. The guffaws grew louder, the muttered protests reached the front of the room. In the row in front of me, a broad-shouldered, uniformed officer stood up. "Big disagree here, sir," he bellowed. "Big disagree with your characterization." (Fleetingly, I wondered if this was how colonels address one another in private). "The institution I have spent my life in abhors what went on in Iraq," he said. "It's not the way we treat anyone -- a fresh recruit or a plebe at West Point." The crowd clapped vigorously. In less than 10 minutes, Ferguson had pulled off that rarest of Washington double plays, alienating liberals and conservatives alike.

As his remarks about torture at Abu Ghraib demonstrate, Niall Ferguson has the moral imagination of a teenage boy addicted to gruesome video games. Writing in the right-wing British tabloid the Telegraph in 2006, he described "The Origin of the Great War of 2007 -- and How It Could Have Been Prevented." In this lurid exercise in counterfactual history, Ferguson fantasized that President George W. Bush "was advised by his Secretary of State, Condoleezza Rice, to opt instead for diplomacy. Not just European opinion but American opinion was strongly opposed to an attack on Iran." Because the Bush administration was insufficiently bellicose, the result was the "devastating nuclear exchange of August 2007" between Iran and Israel that "marked the twilight of the West" as "Iraq’s Shiite population overran the remaining American bases in their country and the Chinese threatened to intervene on the side of Teheran."

Here is Niall Ferguson a few years earlier, bloviating in Foreign Policy in 2004 about the global anarchy that might result from a diminution of America’s relative power:

The worst effects of the new Dark Age would be felt on the edges of the waning great powers. The wealthiest ports of the global economy -- from New York to Rotterdam to Shanghai -- would become the targets of plunderers and pirates. With ease, terrorists could disrupt the freedom of the seas, targeting oil tankers, aircraft carriers, and cruise liners, while Western nations frantically concentrated on making their airports secure. Meanwhile, limited nuclear wars could devastate numerous regions, beginning in the Korean peninsula and Kashmir, perhaps ending catastrophically in the Middle East. In Latin America, wretchedly poor citizens would seek solace in Evangelical Christianity imported by U.S. religious orders.

This is typical of the inadvertently self-parodic rants to which Niall Ferguson owes his celebrity in the infotainment industry. The unintentionally comic effect -- not only nuclear wars in East Asia, South Asia and the Middle East, but also mass conversions of Latin Americans to Protestantism! -- brings to mind Bill Murray’s Dr. Peter Venkman in the movie "Ghostbusters":

Dr. Peter Venkman: This city is headed for a disaster of biblical proportions.

Mayor: What do you mean, "biblical"?

Dr. Ray Stantz: What he means is Old Testament, Mr. Mayor, real wrath of God type stuff.

Venkman: Exactly.

Stantz: Fire and brimstone coming down from the skies! Rivers and seas boiling!

Dr. Egon Spengler: Forty years of darkness! Earthquakes, volcanoes ...

Winston Zeddemore: The dead rising from the grave!

Venkman: Human sacrifice, dogs and cats living together ... mass hysteria!

Mayor: All right, all right! I get the point!

Michael Lind is Policy Director of the Economic Growth Program at the New America Foundation and is the author of "The Next American Nation: The New Nationalism and the Fourth American Revolution."

Fonte: Salon

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Cepalinos e anti-cepalinos...

Bom resumo das teses em debate nos anos 50 (cepalinos e anti-cepalinos) com interessentes questões sobre a política atual.

Neste momento em que a indústria brasileira passa por mares revoltos devido à crescente valorização cambial, mais do que nunca seria oportuno uma reflexão sobre a estratégia nacional de apoio à industrialização. Entre a década de 1950 e o início da década de 1990, o país experimentou de tudo em matéria de proteção à indústria: barreiras tarifárias, taxas de câmbio múltiplas, lei de similaridade nacional, reserva de mercado no setor de informática, crédito subsidiado, além da ação direta do Estado em setores intensivos em capitais ditos "estratégicos".

A teoria que fundamentou a política industrial brasileira foi desenvolvida na década de 1950. Ela baseava-se na premissa de que, a longo prazo, os preços internacionais dos produtos primários estavam fadados a uma inexorável desvalorização em relação aos dos industrializados. Segundo a teoria, os países industrializados aprimoravam continuamente suas técnicas de produção, o mesmo não acontecendo nos países subdesenvolvidos que produziam produtos primários. Assim, enquanto o aumento da produtividade sancionava elevação dos salários nos países industrializados, a estagnação tecnológica aliada ao acelerado crescimento populacional forçava a queda de salários nos países produtores de bens primários. Países com pouco capital e mão de obra não especializada, ao permanecerem exportadores de bens primários, estariam condenados ao subdesenvolvimento. O problema era agravado pelo fato de Europa, Japão e EUA protegerem seus setores agrícolas.

A premissa da desvalorização dos preços dos bens primários em relação aos bens industriais não encontra suporte empírico no mundo atual. Após abandonarem as fracassadas experiências socialistas e as estratégias de desenvolvimento autárquico, países da Europa Oriental, China e Índia se juntaram decididamente às economias de mercado. Junto com eles, trouxeram uma gigantesca oferta de mão de obra que antes vivia na agricultura de subsistência. Essa transformação teve dois impactos gigantescos sobre os mercados de produtos industriais e primários. O primeiro é que os milhões de trabalhadores que abandonaram a agricultura se direcionaram para a indústria dispostos a trabalhar por salários baixíssimos; o segundo é que essa imensa população passou a importar os bens agrícolas que, bem ou mal, antes produzia em regime de subsistência.

Como se trata de populações imensas, suas ações alteraram significativamente os preços internacionais. O resultado são preços internacionais de bens industriais declinantes, acompanhados de preços de bens primários crescentes. Exatamente o oposto do que diziam as teorias da década de 1950. O problema é agravado pela alta taxa de poupança nesses países que lhes permite manter uma taxa real de câmbio desvalorizada, sem grandes pressões inflacionárias.

Também a hipótese de estagnação da tecnologia de produção de bens primários não encontra suporte na atualidade. Na agricultura, a revolução produtiva gerada pelas pesquisas da Embrapa fala por si só. Na extração de recursos naturais, a evolução tecnológica permite a extração de petróleo e outros minerais a profundidades inconcebíveis há apenas uma década.

Foi-se o tempo em que o que tinha valor era necessariamente produzido na indústria. No pragmático mundo do pós Guerra Fria, qualquer país com macroeconomia estável, mão de obra barata em relação a sua qualificação e direitos de propriedade razoavelmente confiáveis atrai indústrias de média tecnologia. Esse tipo de indústria gera empregos locais, mas não embute gordas margens. Por exemplo: o valor adicionado domesticamente às exportações de computadores chineses é menos que 5% do valor adicionado total. Por exigência da competição nos mercados internacionais, os salários pagos nesse tipo de indústria tendem a se igualar aos baixos salários recebidos por chineses.

Após meio século de política industrial, com sucessos em poucas áreas e fracassos em muitas outras, o Brasil encontra-se diante de um novo paradigma que parece não ter sido corretamente compreendido pelos formuladores de suas estratégias. Não apenas se insiste na formula de meio século atrás, como se está dobrando a aposta, conforme atestam as recentes capitalizações bilionárias do BNDES. Persiste-se no modelo de fortes subsídios creditícios à indústria - distribuídos segundo critérios obscuros que privilegiam grandes empresas - num mundo onde sequer está claro que a indústria continue a ser a fonte da prosperidade. Há que se levar em conta, por exemplo, que nas economias avançadas mais de 70% do PIB é gerado no setor de serviços.

Dado o estágio de industrialização já alcançado pelo Brasil, qual é hoje o caminho da prosperidade? Produzir domesticamente o que qualquer país pode fazer, igualando os salários dos brasileiros aos dos chineses? Fabricar o que poderia ser comprado a baixo preço no exterior? Ou aprofundar a produção daquilo que outros países não poderão fazer por insuficiência de dotações? A política econômica recente tem privilegiado a proteção à industria a qualquer preço; está na hora de repensar esse modelo e partir para uma estratégia mais equilibrada e racional, abandonando uma visão obsoleta onde o Estado escolhe os vencedores e campeões.

Pedro Cavalcanti Ferreira e Renato Fragelli Cardoso são professores da Escola de Pós-graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas.

Fonte: Valor

sábado, 28 de maio de 2011

sexta-feira, 27 de maio de 2011

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Conversa pra boi dormir...

“Quero assegurar a vocês que o ministro Palocci está dando todas as explicações necessárias para os órgãos de controle. Espero que essa questão não seja politizada"( Presidente Dilma Rouseff).

A declaração da Presidente vem em boa hora e agora nos resta esperar pelos esclarecimentos do Sr. Palocci, já que todo cidadão é inocente ate prova em contrário. No entanto, na arena política o julgamento é diferente e vale a velha regra: à mulher de Cesar não basta ser honesta, tem que parecer honesta. Por isto, levando em conta seu passado nebuloso, a sua escolha para fazer parte da atual administração é um grande equivoco, manté-lo no cargo/função é insistir no erro . Tolice maior ainda é argumentar tratar-se de um teste e sua saída do governo um atestado de óbito prematuro da atual administração. É justamente o contrário, como prova o ocorrido no governo Lula. A credibilidade é do Presidente, o único que tem a legitimidade das urnas o resto é conversa para boi dormir.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Chega, Basta, Fora....

A figura nefasta continua em estado comatoso e as chances de recuperação estão ficando, a cada dia, menores. Não podemos continuar sem ele, argumentam os áulicos de sempre. Incrível, mas em um Partido político com uma grande história, há quem ainda acredita ser ele o único dotado de habilidades políticas para o cargo/função que ora ocupa. Lances cômicos não faltam, merecendo destaque a preocupação com o "suposto" vazamento dos dados da empresa responsável pela fantástica multiplicação da riqueza da dita figura. Quem diria que uma personagem tão inteligente recorreria a um argumento tão pobre.

Por falar em vazamento. Segundo os jornais de hoje a figura que não deveria ter sido convidado a fazer parte da atual administração, realmente foi a responsável pelo vazamento dos dados do Francenildo. Nenhuma surpresa, exceto, quem sabe para a (In)justiça brasileira que insiste em considerar os ricos acima da lei. O passado, assim como o presente, o condena e insistir em manté-lo no governo é um tolice que poderá sair muito caro em 2014. Memória curta quem tem são os políticos, não os eleitores.

terça-feira, 24 de maio de 2011

segunda-feira, 23 de maio de 2011

domingo, 22 de maio de 2011

sábado, 21 de maio de 2011

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Ele tem que partir...

Errar uma vez é humano, duas vezes, as vezes, é compreensível, ainda que inaceitável. Insistir no erro é tolice, para não usar outra palavra. Em política, errar é sempre inaceitável, insistir no erro ou repeti-lo abre espaço, legitimo, para se questionar a própria habilidade do agente político em tomar decisões corretas. Quanto mais importante o cargo, maior o dano político.

Para este blogueiro que acredita que a atual coalizão ainda é a melhor opção para se construir um pais socialmente mais justo, uma verdadeira economia social de mercado - em que pese equivocos na questão da inflação - é difícil entender a 'rationale' da escolha da figura nefasta para fazer parte do governo. Blinda-lo e tentar resistir é compreensivel, porém, não parece ser o melhor caminho quando se verifica que o aumento de riqueza foi ainda maior que o noticiado inicialmente. É sempre bom lembrar que ele não tem formação em economia e seu cargo era essencialmente político, não sendo, possível, portanto, compara-lo com figuras como Malan, Arida e Resende, entre outros. Requer uma credulidade imensa acreditar na versão que se procura vender sobre as atividades de tal figura.

Ele tem que partir, o quanto antes melhor.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

A quinta coluna

Aquele que não deveria ter sido convidado a participar do Governo Federal, continua firme e com uma blindagem que inclui, entre outros, membros da própria oposição que, alias, somente confirma que ele é de fato a quinta coluna na atual administração. Já haviamos mencionado, quando da sua escolha, que era um erro - um tapa na cara dos brasileiros em razão do caso do francenildo - que poderia custar caro para a atual administração. Por enquanto o impacto negativo está relativamente contido, porem o desfecho final depende da disposição da midia e, principalmente, do enriquecimento não ser apenas a ponta do iceberg. Infelizmente para a figura nefasta, tudo leva a crer ser apenas o começo de um longo processo de sangramento. Resta saber se a atual administração esta disposta a colocar em risco o projeto de um pais mais justo, para salvar o simbolo da arrogância que manda e desmanda no grande bananão desde sempre....

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Fascismo de esquerda.

Marcelo Coelho voltou a velha forma. O artigo de hoje no jornal da ditabranda é uma indicação de um futuro mais radiante. O políticamente correto, à esquerda ou à direita, é uma tolice aqui e no seu país de origem-USA. Já o fascismo por ser um movimento de direita funciona como salvo conduto a comportamento claramente fascista no campo da esquerda. Ainda que, aparentemente, contraditório, há muitos anos uso a expressão fascismo de esquerda para descrever este tipo de comportamento.

O comediante Danilo Gentili pediu desculpas pela piada antissemita que divulgou no Twitter. A saber, a de que os velhos de Higienópolis temem o metrô no bairro porque "a última vez que eles chegaram perto de um vagão foram parar em Auschwitz".
Aceitar suas desculpas pode ser fácil ou difícil, conforme a disposição de cada um. O difícil é imaginar que, com isso, ele venha a dizer menos cretinices no futuro.
Não aguentei mais do que alguns minutos do programa "CQC", na TV Bandeirantes, do qual é ele uma das estrelas mais festejadas. Mas há um vídeo no YouTube, reproduzindo uma apresentação em Brasília do seu show "Politicamente Incorreto", em outubro de 2010.
Dá para desculpar muita coisa, mas não a falta de graça. O nome oficial do Palácio do Planalto é Palácio dos Despachos, diz ele. "Deve ser por isso que tem tanto encosto lá." Quem o construiu foi Oscar Niemeyer, continua o humorista. E construiu muitas outras coisas, como as pirâmides do Egito.
A plateia tenta rir, mas só fica feliz mesmo quando ouve que Lula é cachaceiro, ou que (rá, rá) o nome real de Sarney é Ribamar. Prossegue citando os políticos que Sarney apoiou; encerra a lista dizendo que ele só não apoiou o próprio câncer porque "o câncer era benigno".
Os aplausos e risadas, pode-se acreditar, vêm menos da qualidade das piadas e mais da vontade de manifestação política do público. Detestam-se, com razão, os abusos dos congressistas brasileiros. Só por isso, imagino, alguém ri quando Gentili diz preferir que a capital do país ficasse no Rio: "Lá pelo menos tem bala perdida para acertar deputado".
Melhor parar antes que eu fique sem respiração de tanto rir. Como se vê, em todo caso, o título do show não é bem o que parece. "Politicamente incorreto", no caso, faz referência às coisas erradas feitas pelos políticos, mais do que ao que há de chocante em piadas sobre negros ou homossexuais.
A questão é que o rótulo vende. Ser "politicamente incorreto", no Brasil de hoje, é motivo de orgulho. Todo pateta com pretensões à originalidade e à ironia toma a iniciativa de se dizer "incorreto" -e com isso se vê autorizado a abrir seu destampatório contra as mulheres, os gays, os negros, os índios e quem mais ele conseguir.
Não nego que o "politicamente correto", em suas versões mais extremadas, seja uma interdição ao pensamento, uma polícia ideológica.
Mas o "politicamente incorreto", em sua suposta heresia, na maior parte das vezes não passa de banalidade e estupidez.
Reproduz preconceitos antiquíssimos como se fossem novidades cintilantes. "Mulheres são burras!" "Ser contra a guerra é viadagem!" "Polícia tem de dar porrada!" "Bolsa Família serve para engordar vagabundo!" "Nordestino é atrasado!" "Criança só endireita no couro!"
Diz ou escreve tudo isso, e não disfarça um sorrisinho: "Viram como sou inteligente?".
"Como sou verdadeiro?" "Como sou corajoso?" "Como sou trágico?" "Como sou politicamente incorreto?"
O problema é que "politicamente incorreto", na verdade, é um rótulo enganoso. Quem diz essas coisas não é, para falar com todas as letras, "politicamente incorreto". Quem diz essas coisas é politicamente fascista.
Só que a palavra "fascista", hoje em dia, virou um termo... politicamente incorreto. Chegamos a um paradoxo, a uma contradição.
O rótulo "politicamente incorreto" acaba sendo uma forma eufemística, bem-educada e aceitável (isto é, "politicamente correta") de se dizer reacionário, direitista, fascistoide.
A babaquice, claro, não é monopólio da direita nem da esquerda. Foi a partir de uma perspectiva "de esquerda" que Danilo Gentili resolveu criticar "os velhos de Higienópolis" que não querem metrô perto de casa.
Uma ou outra manifestação de preconceito contra "gente diferenciada", destacada no jornal, alimentou a fantasia mais cara à elite brasileira: a de que "elite" são os outros, não nós mesmos. Para limpar a própria imagem, nada melhor do que culpar nossos vizinhos.
Os vizinhos judeus, por exemplo. É este um dos mecanismos, e não o vagão de um metrô, que ajudam a levar até Auschwitz.

Fonte: FSP

terça-feira, 17 de maio de 2011

Consultorias e lavanderias...

Ótimo artigo do Janio de Freitas, no jornal da ditabrada, sobre um tipo raramente mencionado de lavanderia: as consultorias.

As lavanderias que dão maiores lucros não lavam roupas nem outros tecidos. Lavam dinheiro. E não usam o nome de lavanderia. Chamam-se consultorias. Assim como as lavanderias verdadeiras não são consultorias, nem todas as consultorias são lavanderias. Há razões mesmo para acreditar que a maioria não o seja, à parte o grau de competência de cada uma.

Contraventores, traficantes, contrabandistas e congêneres adotam sistemas próprios de lavagem. Consultorias são preferidas e muito eficazes para quem precisa lavar dinheiro recebido de modo ilícito no exercício de função pública. Aquele dinheiro que não pode aparecer de repente sem maiores riscos.

Alguns, em verdade poucos, desfrutam de circunstâncias que lhes permitem fazer grandes investimentos, sem problemas, em fazendas, imóveis aqui e no exterior, saiam ou não da vida pública. Outros, menos notórios, desaparecem para sua nova vida de bem forrados. Solução que, por acaso ou não, foi muito praticada em certos setores, como o da regulagem de preços então existente, áreas da Fazenda e de obras. Mas os que não têm cobertura bastante e não podem sumir têm o recurso de consultorias. As quais, com frequência, até lhes mantêm ou conferem prestígio, proporcionado pelos jornalistas que os procuram para a palpitagem incessante. E, para não perder tempo, utilitária também.

As modalidades de lavagem são variadas. Digamos, para exemplificar com uma delas, que alguém em função ministerial receba um alto valor, ou se torne credor dele, por determinada medida (apresentada, é claro, para efeitos governamentais e públicos, sob a conveniente roupagem técnica). Não fará uso imediato dos novos cifrões, por impedimentos óbvios. De volta à vida dos quase comuns, porém, a operação é simples.

Um recibo não depende da existência de um pagamento. É o que lavagem sabe e faz: um pagamento fictício por uma empresa, ou uma entidade, e um recibo dado por prestação de consultoria que não houve. O dinheiro ilícito, vindo lá de trás às escondidas, passa a integrar o patrimônio do corrompido como se fosse pagamento por um serviço recente. Está limpo para todos os efeitos legais. E a empresa ou a entidade tem a vantagem de deslocar, da contabilidade real para o caixa dois de usos não declarados, a quantia que aparentemente saiu como pagamento de um serviço de consultoria.

Na mesma modalidade, há também a entrega de um serviço, o mais comum é uma publicação ou um "estudo técnico", pago pela empresa por um alto valor, seja para repetir o mesmo truque, seja para quitar o crédito ilícito do serviço prestado na função pública. Com a ressalva, apesar de desnecessária, de que nem toda publicação e "estudo técnico" para empresa cumpra esse papel.

A bem da verdade, como diziam no tempo em que tais práticas e suas variantes eram raras, é que seu uso não é exclusividade do âmbito administrativo ou do político. O Conselho Nacional de Justiça tem adotado providências contra casos semelhantes no Judiciário. Antes dele, o ex-juiz Lalau dos Santos Netto deixou outra ilustração, quando pôs sua lavanderia no exterior certo de que o remanescente do SNI ainda lhe daria proteção, e não abandono ingrato.

Fonte: FSP

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Primeira baixa ou apenas banho maria?

Aquele que não deveria ter sido convidado para fazer parte do Governo, que nada conhece de economia, conseguiu multiplicar sua riqueza por 20 em um curtissimo espaço de tempo. Homem de sorte, sem dúvida. Absolvido pela (In)justiça brasileira, "darling" da midia da nova direita, não demorou muito para confirmar o nosso prognostico: o tigre nunca perde suas listas. Resta saber se foi apenas uma cutucada do Jornal da Ditrabanda - ajuste de contas? - ou se vem mais novidades por ai... Em todo caso não repercutiu no resto do PIG. Afinal para que serve os amigos.

Falando na (In)justiça brasileria, qual terá sido a reação deles ao ver o Srauss-Kahn algemado? Fiquei esperando pela declaração/denuncia da figura menor: os USA não é mais uma democracia, o estado policial esta a caminho...

domingo, 15 de maio de 2011

sábado, 14 de maio de 2011

sexta-feira, 13 de maio de 2011

A Europa não está a deriva..

Como mencionado em posts antigos, a reestruturação da divida grega é inevitável. A questão do quando e como faze-la ainda é controversa, mas o tempo pra resolve-la está se exaurindo rapidamente. Uma solução negociada é, obviamente, a melhor opção e minimizaria o impacto negativo sobre Irlanda, Portugal e Espanha. O risco de empurrar com a barriga é tornar inevitável uma solução de mercado.

O problema da dívida grega, a política da dinamarca em relação ao livre transito na comunidade europeia entre outros problemas, tem produzido analises superficiais sobre o futuro do projeto europeu. A Europa seguramente não esta a deriva e os acontecimentos recentes de modo algum colocam em xeque o projeto que já sobreviveu a crises e embates fortes no passado.

quinta-feira, 12 de maio de 2011

PUC-SP perde prof. Paulo Edgar Resende

Faleceu na manhã de 12/5, aos 78 anos, o professor Paulo Edgar Almeida Resende (Depto. Política). O velório será realizado no saguão do Tucarena, e o enterro será dia 13/5, às 11h, no Cemitério Gethsêmani da Rodovia Anhangüera (Km 23,4, zona Norte da capital). Resende era casado com Vera da Rocha Resende, tinha um casal de filhos e um neto.

Graduado em Filosofia (Universidade Gregoriana de Roma, Itália, 1961), Ciências Políticas (Université Claude Bernarde-Lyon I, França, 1966) e Ciências Sociais (Faculdades Católicas de Lyon, França, 1966). Sua área de estudo e pesquisa era a Ciência Política, com ênfase em Relações Internacionais – sua tese de doutorado, defendida no Pós em Ciências Sociais da PUC-SP (1975), já discutia os processos de integração-dominação na América Latina.

Docente da PUC-SP desde 1967, Resende lecionava e orientava alunos no Pós em Ciências Sociais e era coordenador do Núcleo de Análise de Conjuntura Internacional (Naci).

Resende foi vice-reitor Comunitário da Universidade, entre 1990 e 1992, diretor do antigo Centro de Ciências Humanas (1987-1993), e diretor da Faculdade de Ciências Sociais (1977-1981). Foi fundador do Departamento de Política (que chefiou nos biênios 1975-1977, 1981-1983 e 1983-1985) e participou da criação do curso de Relações Internacionais (que coordenou entre os anos de 1994 e 1999). Foi ainda presidente do Comitê de Ética em Pesquisa da PUC-SP (2003-2009).

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Alexandre contra-ataca

Alexandre "eram os deuses astronautas" exagera, um pouco, nas tintas, mas o argumento central me parece ser correto.

Em 1999 o país adotou, com sucesso, o regime de metas para a inflação. Ao lado das metas fiscais e do câmbio flutuante, o regime é parte crucial do chamado "tripé macroeconômico", que desempenhou papel central na estabilização da economia, permitindo, entre outras coisas, a elevação gradual do crescimento sustentável.
A taxa de investimento, que há alguns anos oscilava ao redor de 16% do PIB, subiu para 18% do PIB em média nos últimos quatro anos, fenômeno que, sozinho, pode ter acelerado o crescimento potencial em até 1% ao ano entre 2003 e 2010.
Não é segredo, contudo, que o tripé macro vem sofrendo um desgaste contínuo ao longo dos últimos anos. O compromisso com a meta fiscal foi sendo abandonado aos poucos, de forma acabrunhada, é bom que se diga, mas não menos real. Já a flutuação livre da moeda vem se tornando uma ficção desde o final de 2010, o que -como tenho argumentado- permitiu que o aumento do preço em dólares das commodities se traduzisse quase que integralmente na elevação dos seus preços em reais, com sérias implicações negativas para a evolução da inflação.
Resta ainda, ao menos do ponto de vista formal, o compromisso com a meta de inflação, objeto de reiteradas juras de fidelidade por parte do governo -da presidente da República ao presidente do Banco Central, passando pelo ministro da Fazenda. Entretanto, se nas juras não falta o ardor retórico que os menos avisados poderiam confundir com sinceridade, na atuação concreta das autoridades -seja pelos seus atos, seja por meio do seu diagnóstico do fenômeno inflacionário- o comprometimento com a meta passa longe.
Em que pese o reconhecimento explícito por parte do Banco Central de que o aquecimento excessivo da economia representa parcela importante da aceleração da inflação, em outras áreas ainda se perde tempo na busca de culpados que não a política econômica pelo aumento persistente dos preços.
Era a comida; agora são os combustíveis (mesmo com o preço da gasolina sob controle governamental). Já a aceleração da inflação de serviços seria "estrutural" (palavrinha que geralmente significa "é um problema, mas não faremos nada a respeito") e de forma alguma associada à falta de mão de obra que tem levado ao aumento consistente dos salários acima do crescimento da produtividade.
Agora, além da inflação de preços, temos a inflação de desculpas. Não bastasse a contabilidade criativa na questão fiscal, em documento recente o Ministério da Fazenda inova na forma de medir a inflação, afirmando que "o IPCA acumulado em 12 meses [até março de 2011] estaria em 4,76% sem combustíveis e alimentos", sugerindo, portanto, que os demais preços da economia estariam crescendo em velocidade muito inferior à da inflação cheia naquele período (6,30%).
A inflação, contudo, é uma média ponderada dos diferentes aumentos de preços. Se a inflação total ficou em 6,30%, a inflação de alimentos (peso aproximado de 15%) alcançou 8,76% e a inflação de combustíveis (peso 4,5%) chegou a 5,42%, então a média dos demais preços deve necessariamente ter aumentado 5,89%, bem mais do que os 4,76% estimados pela Fazenda.
Atualizando esses números para abril, chegamos à conclusão de que o aumento dos preços (exceto alimentos e combustíveis) atingiu 6,19%, só um pouco inferior aos 6,51% registrados pelo IPCA cheio.
Isso mostra que a inflação não é um problema localizado em poucos produtos, mas bastante difundido pela economia, visão diametralmente oposta à patrocinada pela Fazenda.
Não menos reveladora foi a atitude do ministro, que inovou também no campo das desculpas, ao argumentar que o estouro do teto da meta não teria ocorrido porque esta não incluiria o segundo dígito após a vírgula...
Dizia Neném Prancha: "Se macumba ganhasse jogo, o Campeonato Baiano terminaria sempre empatado". Se desculpa baixasse a inflação, teríamos uma solução, não um problema.

Fonte: FSP

terça-feira, 10 de maio de 2011

O esforçado economista da Ditadura foi infeliz e o uso da expressão animal não tem nenhuma relação com o o espirito animal de Keynes. Ele poderia estar pensando na expressão animal político . Não é possível, no entanto, argumentar ser parte de sua linguagem privada, porque, como nos ensina Wittgenstein, ela não existe. A intenção não foi ofender, mas nem por isto deixa de ser ofensiva. Um ato falho, que mostra o que ele pensa e procura encobrir com a nova persona que tanto agrada aos deslumbrados e vitimas da sindrome de estocolmo.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

'The Procrastination Equation'

Leitura obrigatória, principalmente em uma segunda-feira...

To some degree, everyone struggles with procrastination -- unless one has entirely abandoned the struggle in favor of watching cat videos on YouTube. And academics, who juggle an array of work responsibilities -- many with apparently elastic deadlines -- are no exception. But recognizing that one is guilty of procrastination, and even that it may have serious consequences for one's career or personal life, never seems to make it much easier to click away from the kitten clip. (Seriously, Stalking Cat? Priceless.)

It's not your imagination, says procrastination expert Piers Steel: in the age of the Internet, video games, and TiVo, it is harder than ever to filter out diversions and focus on the tasks that you really mean to be tackling. In his new book, The Procrastination Equation: How to Stop Putting Things Off and Start Getting Stuff Done (HarperCollins), Steel combs through a mountain of research on procrastination to get at its causes (evolutionary, technological, personal); its impact, on economies as well as individuals; and its antidotes: what methods actually help people change their time-frittering ways.

Inside Higher Ed conducted an e-mail interview with Steel, professor of human resources and organizational dynamics in the Haskayne School of Business at the University of Calgary, to find out more about his book (and whether it might help IHE wean our reporters off cat videos).

Q: Can you give a brief explanation of what exactly "the procrastination equation" is, and how it works?

A. In 2007, I wrote a meta-analytical review called “The Nature of Procrastination,” published in Psychological Bulletin. Three big factors reliably popped up. By far the strongest reasons why we put stuff off was because we: i) lacked self-confidence in our ability to complete the task, ii) found the task boring or unpleasant, and iii) were impulsive. A separate paper of mine, “Integrating Theories of Motivation,” published in the Academy of Management Review, covers how many other major disciplines were saying more or less the same thing, from behaviorism to economics to personality, often formulaically. This allows us to put the pieces together a little more formally and create a Procrastination Equation. Here’s a stripped down version of it:

It is just a model of how we behave but it is a pretty good one. We lack motivation and put stuff off when we doubt our abilities (i.e., low expectancy), hate doing the task (i.e., low value), are sensitive to delay (i.e., high impulsiveness), and have to wait for the task’s rewards (i.e., high delay).

Q: What differentiates The Procrastination Equation from other self-help books?

A: Science doesn’t stand still, so nonfiction books, including my own, should eventually go out of date. Unfortunately, in the field of procrastination there have been few updates; pretty much the same books that were around 30 years ago are still around. Consequently, most self-help books on procrastination are based on the belief that we procrastinate because we are perfectionists, a three-decade-old theory that hasn’t been scientifically backed up. Those neat and orderly perfectionists tend to procrastinate less, not more, though they feel worse about it when they do delay.

Also, though I do research on procrastination, I’m also a meta-researcher, helping me to borrow from all the wonderful insights that researchers from other disciplines, including my own, generate. I’m not limited to just what I personally have done, which lets the book take a broader and more encompassing stance. In particular, I’ve been able to incorporate a lot of recent work conducted on how to manage our impulsive nature, which is the biggest single source of our procrastination.

Q: You write that "virtually everyone" procrastinates to some degree, but you do single out a "chronically procrastinating quarter of the population." On what do you base this estimate? Are the figures related to disorders like ADHD?

A: This is a tricky question. It is like asking, “What percentage of people are tall?” There is a subjective element to determining what “tall” is just as there is to saying what is “chronic.” I put chronic as anything over the midway part on a five-point scale, so people consider themselves as procrastinating more often than not. So chronic procrastination occurs when people, by their own standards, believe putting off becomes their default. Of note, the situation appears to be getting worse. Lately, the results I have from my website indicate it is closer to 50 percent chronic procrastination rather than the 25 percent we were getting even 10 years ago. Only some of that increase is likely due to self-selection.

Because procrastination is largely an impulse control issue, disorders which lead to heightened levels of impulsiveness are associated with more procrastination. Consequently, ADHD is the kingpin of procrastination conditions. Reading the Diagnostic & Statistical Manual symptom checklist, it is almost as if those with ADHD were genetically tailored to be prototypical procrastinators: easily distracted, trouble organizing, and often lose things. For ADHD kids, procrastination is even more of a structurally central, load-supporting column. They have difficulty getting started on tasks, often prioritize poorly and start the wrong ones, to which they allot too little time to complete. Once started, they are easily distractible and have to make the decision to work again and again.

Para ler o resto do artigo clique aqui

domingo, 8 de maio de 2011

sábado, 7 de maio de 2011

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Luiz Carlos Mendonça de Barros e o FED

Excelente análise do sempre competente Luiz Carlos Mendonça de Barros sobre os desafios do FED. Não compartilho seu otimismo, um tanto quanto exagerado me parece, em relação a economia americana, mas isto é um pequeno detalhe.

O FEDERAL Reserve, em sua última reunião, reafirmou a decisão de ir até o fim em sua política de inundar o mercado de dólares baratos, chamada de Quantitative Easing 2.
O banco central americano, sob a liderança firme e decidida de seu presidente, vem seguindo à risca a leitura feita por Lord Keynes, ainda na primeira metade do século passado, sobre como evitar uma depressão econômica em um ambiente de pânico financeiro.
Ben Bernanke tem o reconhecimento hoje, mesmo no grupo mais ortodoxo de analistas, de ter evitado o pior na maior economia do mundo. Mas começa a enfrentar novos desafios para consolidar definitivamente suas vitórias.
Os dados mais recentes mostram que alguma vida já voltou à economia, a recessão é coisa do passado e a geração de empregos parece ter voltado de forma perene.
Para 2011, os analistas de mercado trabalham com crescimento de mais de 3% e queda significativa na taxa de desemprego.
Mas partes importantes da economia -o setor imobiliário e o bancário, principalmente- ainda sentem as consequências da crise que começou em 2008. Por isso, ainda é frágil a confiança dos agentes econômicos em uma superação perene.
Por essa razão, o Fed já avisou que prefere errar na direção de uma política monetária expansionista, mesmo com o risco de inflação mais elevada mais à frente, do que permitir uma nova recaída da atividade econômica.
Mas seus principais instrumentos de ação -juros próximos de zero e compras maciças de títulos emitidos pelo governo americano para financiar seus exorbitantes deficit- estão provocando tensões imensas em outras economias, principalmente via canal cambial.
O dólar não para de cair, provocando valorização cambial quase insuportável em vários países e criando uma bolha de liquidez no mundo todo. Na busca desordenada por investimentos financeiros de maior risco, os grandes detentores de capitais exportam o excesso de liquidez nos EUA para países que não sofrem do mesmo mal americano. O Brasil é um exemplo dessa armadilha, com inflação em aceleração e a moeda pressionando a indústria.
Por outro lado, a fraqueza da moeda americana está provocando aumento expressivo dos preços em dólares de produtos primários como alimentos, metais e, principalmente, o petróleo. Como a inflação ex-petróleo não sobe por conta da imensa capacidade ociosa na economia americana -principalmente no mercado de trabalho-, o Fed segue em frente com sua política e acaba exportando inflação para as outras economias.
Mas o aumento dos preços do petróleo começa também a atrapalhar a ação do BC americano. Preços bem mais altos dos combustíveis nos EUA estão corroendo a renda do consumidor e diminuindo sua confiança na recuperação econômica.
Uma espécie de ciclo vicioso perverso se formou, com o excesso de liquidez e juros muito baixos enfraquecendo o valor do dólar nos mercados de câmbio, o que leva a preços do petróleo sempre mais altos, que corroem a renda do consumidor norte-americano, que pressiona a economia para baixo, que obriga o Fed a manter a política monetária frouxa e expansionista, que enfraquece o valor do dólar, que....
O Fed precisa entender que medidas heterodoxas -por mais corretas que sejam em um momento de crise- mantidas por um tempo muito longo provocam efeitos colaterais danosos à economia.
Volto sempre à minha comparação entre uma economia de mercado e o organismo humano para entender o momento por que estão passando os EUA. A partir de certo momento, os efeitos negativos de uma medicação agressiva -e esse é o caso do Quantitative Easing 2- passam a ser maiores do que seus benefícios. Temo que já chegamos a esse ponto.
Talvez já seja a hora de uma mudança nos discursos do Fed, com a retirada da mensagem de que a política monetária atual será mantida por um longo período de tempo e, com isso, um primeiro sinal de normalização seja dado.

Fonte: FSP

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Já não era sem tempo...

Demorou, mas finalmente o governo, em publico, expressa uma única visão sobre a questão econômica. Ate o representante da quinta coluna, renegou seu voto de silêncio, e, como papagaio que é, repetiu o que outro pensou. Será que ele realmente sabe o significado do que falou? Tenho serias dúvidas.

O mais interessante é a performance do atual ocupante da Fazenda que, alias, esta sendo lançado candidato a prefeito de SP. Não se sabe se por amigos ou inimigos. O fato é que ele, aparentemente, resolveu dar vazão a sua porção economista e aposentar a de sociologo e , "surprise, surprise", tecer comentários corretos sobre o câmbio e ate mesmo sobre a taxa de juros. Estou na torcida para que esta porção torne-se a dominante...

Enquanto isto continua a polemica sobre o cambio, com a última produção do lado heterodoxo. Minha posiçào, neste caso, é "oswaldiana".

quarta-feira, 4 de maio de 2011

terça-feira, 3 de maio de 2011

O "darling" dos heterodoxos...

O esforçado economista da ditadura na sua nova persona "darling" dos "economistas" heterodoxos, esta mais otimista que o rei. A inflação esta sob controle, é verdade, mas a política econômica da atual administração esta apostando alto na eficácia do mambo jambo macroprudencial. A convergência em 2012 é uma escolha correta e coerente com o fundamento teorico das metas inflacionárias e tem, naturalmente, um custo social menor e por isto merece todo elogio. Contudo, é preciso não esquecer de 2011 e ficar deitado em berço esplendido. É ai que mora o perigo ignorado pelos áulicos de sempre e a turma que desconhece o be a ba da macroeconomia.

O Brasil está vivendo um momento complicado. Por um lado, há dúvida geral, ampla e irrestrita sobre a natureza do processo inflacionário que atinge, em grau maior ou menor, todos os países do mundo. E, por outro, há uma perplexidade entre os economistas que têm consciência da precariedade dos modelos macroeconômicos sofisticados que utilizamos há pelo menos 20 anos. Deles temos extraído, impropriamente, recomendações "normativas" que refletem, muito mais, como gostaríamos que a economia funcionasse do que ela mostrou que funciona. Curiosamente, a única exceção - a ilha de certezas nesse mar de incertezas - é a convicção religiosa de alguns "falcões" que continuam a pensar-se como portadores de uma verdadeira "ciência monetária" que indicaria a mezinha eficiente.

Todo processo inflacionário se explica por uma combinação variável de três causas:

1ª) um desequilíbrio persistente entre a oferta e a demanda global de bens e serviços;

2ª) por uma desancoragem (por múltiplas razões, inclusive a anterior) da "expectativa" inflacionária;

3ª) por um "choque de oferta" interno ou externo.

No caso brasileiro é preciso acrescentar uma "jabuticaba": o processo de indexação ainda generalizado que sobrou como resíduo do bem sucedido Plano Real e para cuja eliminação se fez muito pouco (de fato, acrescentou-se mais veneno) nos últimos oito anos.

No regime de câmbio flutuante, quando o choque externo é um grande aumento das relações de troca (combinado com um imenso diferencial entre a taxa de juros real interna e a externa), ele é "filtrado" por uma valorização da taxa de câmbio. Quando essa valorização começa a produzir a destruição de importantes atividades internas é natural que as autoridades econômicas tentem controlar o processo, mas não podem fazê-lo sem criar outros problemas. No momento, por exemplo, as intervenções no mercado de câmbio nos levaram praticamente a uma taxa fixa de câmbio, o que diminui os riscos e estimula ainda mais a arbitragem cambial. Tal política de curto prazo é claramente incompatível, no longo prazo, com a liberdade de movimento de capitais.

O cabo de guerra entre os "falcões" e o governo parece estar amainando, desde a última declaração do Banco Central que o ajuste dos juros será suficientemente prolongado para promover a convergência da taxa de inflação para o centro da meta de 2012. Além disso, os números fiscais parecem indicar que o governo vai mesmo executar sua promessa de reduzir o crescimento das despesas de custeio e transferências para baixo da taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), dando mais conforto à política monetária.

É preciso dizer que nunca (pelo menos na minha percepção), o Banco Central explicitou a ideia de que iria substituir a política de juros e apoiar-se, apenas, em medidas macroprudenciais. Para quem estava disposto a entendê-lo o Banco Central disse que iria usá-las como coadjuvantes para facilitar os ajustes com menor custo social (e para o Tesouro). Com elas procuraria elevar a taxa de juros real e diminuir a expansão do crédito em setores específicos, reduzindo o aumento da Selic. Esta é injeção na veia no custo da dívida pública. E isso, aparentemente, está sendo conseguido: A taxa de juros real produzida pela Selic (que importa mais para o custo da dívida pública) tem sido mantida constante, mas a taxa de juros real do setor privado que controla o consumo e boa parte dos investimentos (não privilegiado por programas especiais), tem se elevado. Este ano a despesa com juros da dívida pública deve beirar a R$ 190 bilhões, uma respeitável bolsa-juros para os rentistas.

É claro que hoje existe uma pressão interna principalmente nos preços dos serviços. O que não está claro é se ela deriva de um excesso de demanda global ou de um desajuste mais profundo no mercado de trabalho devido à mudança na estrutura da oferta e da demanda de mão de obra produzidas pelo processo civilizatório que estamos vivendo e que não pode ser corrigido apenas pela taxa de juros. Em nenhum momento o PIB brasileiro rodou, nos últimos anos, a uma taxa anual maior do que 5%. O 7,5% de 2010 e os 9,5% de meados do ano são apenas artefatos estatísticos.

São tais dúvidas factuais e a imensa incerteza teórica em que vivemos que recomendam uma política econômica cuidadosa e paciente, que procura fazer a taxa de inflação retornar ao centro da meta no fim de 2012 com menor custo social. Nada justifica, portanto, o "terrorismo" dos "falcões" que propagam a ideia que o "governo jogou a toalha" no combate à inflação.

Antonio Delfim Netto é professor emérito da FEA-USP

Fonte: Valor

segunda-feira, 2 de maio de 2011


Átrio da Basílica Vaticana
Domingo, 1° de Maio de 2011

Amados irmãos e irmãs,

Passaram já seis anos desde o dia em que nos encontrávamos nesta Praça para celebrar o funeral do Papa João Paulo II. Então, se a tristeza pela sua perda era profunda, maior ainda se revelava a sensação de que uma graça imensa envolvia Roma e o mundo inteiro: graça esta, que era como que o fruto da vida inteira do meu amado Predecessor, especialmente do seu testemunho no sofrimento. Já naquele dia sentíamos pairar o perfume da sua santidade, tendo o Povo de Deus manifestado de muitas maneiras a sua veneração por ele. Por isso, quis que a sua Causa de Beatificação pudesse, no devido respeito pelas normas da Igreja, prosseguir com discreta celeridade. E o dia esperado chegou! Chegou depressa, porque assim aprouve ao Senhor: João Paulo II é Beato!

Desejo dirigir a minha cordial saudação a todos vós que, nesta circunstância feliz, vos reunistes, tão numerosos, aqui em Roma vindos de todos os cantos do mundo: cardeais, patriarcas das Igrejas Católicas Orientais, irmãos no episcopado e no sacerdócio, delegações oficiais, embaixadores e autoridades, pessoas consagradas e fiéis leigos; esta minha saudação estende-se também a quantos estão unidos connosco através do rádio e da televisão.

Estamos no segundo domingo de Páscoa, que o Beato João Paulo II quis intitular Domingo da Divina Misericórdia. Por isso, se escolheu esta data para a presente celebração, porque o meu Predecessor, por um desígnio providencial, entregou o seu espírito a Deus justamente ao anoitecer da vigília de tal ocorrência. Além disso, hoje tem início o mês de Maio, o mês de Maria; e neste dia celebra-se também a memória de São José operário. Todos estes elementos concorrem para enriquecer a nossa oração; servem-nos de ajuda, a nós que ainda peregrinamos no tempo e no espaço; no Céu, a festa entre os Anjos e os Santos é muito diferente! E todavia Deus é um só, e um só é Cristo Senhor que, como uma ponte, une a terra e o Céu, e neste momento sentimo-lo muito perto, sentimo-nos quase participantes da liturgia celeste.

«Felizes os que acreditam sem terem visto» (Jo 20, 29). No Evangelho de hoje, Jesus pronuncia esta bem-aventurança: a bem-aventurança da fé. Ela chama de modo particular a nossa atenção, porque estamos reunidos justamente para celebrar uma Beatificação e, mais ainda, porque o Beato hoje proclamado é um Papa, um Sucessor de Pedro, chamado a confirmar os irmãos na fé. João Paulo II é Beato pela sua forte e generosa fé apostólica. E isto traz imediatamente à memória outra bem-aventurança: «Feliz de ti, Simão, filho de Jonas, porque não foram a carne e o sangue que to revelaram, mas sim meu Pai que está nos Céus» (Mt 16, 17). O que é que o Pai celeste revelou a Simão? Que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus vivo. Por esta fé, Simão se torna «Pedro», rocha sobre a qual Jesus pode edificar a sua Igreja. A bem-aventurança eterna de João Paulo II, que a Igreja tem a alegria de proclamar hoje, está inteiramente contida nestas palavras de Cristo: «Feliz de ti, Simão» e «felizes os que acreditam sem terem visto». É a bem-aventurança da fé, cujo dom também João Paulo II recebeu de Deus Pai para a edificação da Igreja de Cristo.

Entretanto perpassa pelo nosso pensamento mais uma bem-aventurança que, no Evangelho, precede todas as outras. É a bem-aventurança da Virgem Maria, a Mãe do Redentor. A Ela, que acabava de conceber Jesus no seu ventre, diz Santa Isabel: «Bem-aventurada aquela que acreditou no cumprimento de tudo quanto lhe foi dito da parte do Senhor» (Lc 1, 45). A bem-aventurança da fé tem o seu modelo em Maria, pelo que a todos nos enche de alegria o facto de a beatificação de João Paulo II ter lugar no primeiro dia deste mês mariano, sob o olhar materno d’Aquela que, com a sua fé, sustentou a fé dos Apóstolos e não cessa de sustentar a fé dos seus sucessores, especialmente de quantos são chamados a sentar-se na cátedra de Pedro. Nas narrações da ressurreição de Cristo, Maria não aparece, mas a sua presença pressente-se em toda a parte: é a Mãe, a quem Jesus confiou cada um dos discípulos e toda a comunidade. De forma particular, notamos que a presença real e materna de Maria aparece assinalada por São João e São Lucas nos contextos que precedem tanto o Evangelho como a primeira Leitura de hoje: na narração da morte de Jesus, onde Maria aparece aos pés da Cruz (Jo 19, 25); e, no começo dos Actos dos Apóstolos, que a apresentam no meio dos discípulos reunidos em oração no Cenáculo (Act 1, 14).

Também a segunda Leitura de hoje nos fala da fé, e é justamente São Pedro que escreve, cheio de entusiasmo espiritual, indicando aos recém-baptizados as razões da sua esperança e da sua alegria. Apraz-me observar que nesta passagem, situada na parte inicial da sua Primeira Carta, Pedro exprime-se não no modo exortativo, mas indicativo. De facto, escreve: «Isto vos enche de alegria»; e acrescenta: «Vós amais Jesus Cristo sem O terdes conhecido, e, como n’Ele acreditais sem O verdes ainda, estais cheios de alegria indescritível e plena de glória, por irdes alcançar o fim da vossa fé: a salvação das vossas almas» (1 Ped 1, 6.8-9). Está tudo no indicativo, porque existe uma nova realidade, gerada pela ressurreição de Cristo, uma realidade que nos é acessível pela fé. «Esta é uma obra admirável – diz o Salmo (118, 23) – que o Senhor realizou aos nossos olhos», os olhos da fé.

Queridos irmãos e irmãs, hoje diante dos nossos olhos brilha, na plena luz de Cristo ressuscitado, a amada e venerada figura de João Paulo II. Hoje, o seu nome junta-se à série dos Santos e Beatos que ele mesmo proclamou durante os seus quase 27 anos de pontificado, lembrando com vigor a vocação universal à medida alta da vida cristã, à santidade, como afirma a Constituição conciliar Lumem gentium sobre a Igreja. Os membros do Povo de Deus – bispos, sacerdotes, diáconos, fiéis leigos, religiosos e religiosas – todos nós estamos a caminho da Pátria celeste, tendo-nos precedido a Virgem Maria, associada de modo singular e perfeito ao mistério de Cristo e da Igreja. Karol Wojtyła, primeiro como Bispo Auxiliar e depois como Arcebispo de Cracóvia, participou no Concílio Vaticano II e bem sabia que dedicar a Maria o último capítulo da Constituição sobre a Igreja significava colocar a Mãe do Redentor como imagem e modelo de santidade para todo o cristão e para a Igreja inteira. Foi esta visão teológica que o Beato João Paulo II descobriu na sua juventude, tendo-a depois conservado e aprofundado durante toda a vida; uma visão, que se resume no ícone bíblico de Cristo crucificado com Maria ao pé da Cruz. Um ícone que se encontra no Evangelho de João (19, 25-27) e está sintetizado nas armas episcopais e, depois, papais de Karol Wojtyła: uma cruz de ouro, um «M» na parte inferior direita e o lema «Totus tuus», que corresponde à conhecida frase de São Luís Maria Grignion de Monfort, na qual Karol Wojtyła encontrou um princípio fundamental para a sua vida: «Totus tuus ego sum et omnia mea tua sunt. Accipio Te in mea omnia. Praebe mihi cor tuum, Maria – Sou todo vosso e tudo o que possuo é vosso. Tomo-vos como toda a minha riqueza. Dai-me o vosso coração, ó Maria» (Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, n. 266).

No seu Testamento, o novo Beato deixou escrito: «Quando, no dia 16 de Outubro de 1978, o conclave dos cardeais escolheu João Paulo II, o Card. Stefan Wyszyński, Primaz da Polónia, disse-me: “A missão do novo Papa será a de introduzir a Igreja no Terceiro Milénio”». E acrescenta: «Desejo mais uma vez agradecer ao Espírito Santo pelo grande dom do Concílio Vaticano II, do qual me sinto devedor, juntamente com toda a Igreja e sobretudo o episcopado. Estou convencido de que será concedido ainda por muito tempo, às sucessivas gerações, haurir das riquezas que este Concílio do século XX nos prodigalizou. Como Bispo que participou no evento conciliar, desde o primeiro ao último dia, desejo confiar este grande património a todos aqueles que são, e serão, chamados a realizá-lo. Pela minha parte, agradeço ao Pastor eterno que me permitiu servir esta grandíssima causa ao longo de todos os anos do meu pontificado». E qual é esta causa? É a mesma que João Paulo II enunciou na sua primeira Missa solene, na Praça de São Pedro, com estas palavras memoráveis: «Não tenhais medo! Abri, melhor, escancarai as portas a Cristo!». Aquilo que o Papa recém-eleito pedia a todos, começou, ele mesmo, a fazê-lo: abriu a Cristo a sociedade, a cultura, os sistemas políticos e económicos, invertendo, com a força de um gigante – força que lhe vinha de Deus –, uma tendência que parecia irreversível. Com o seu testemunho de fé, de amor e de coragem apostólica, acompanhado por uma grande sensibilidade humana, este filho exemplar da Nação Polaca ajudou os cristãos de todo o mundo a não ter medo de se dizerem cristãos, de pertencerem à Igreja, de falarem do Evangelho. Numa palavra, ajudou-nos a não ter medo da verdade, porque a verdade é garantia de liberdade. Sintetizando ainda mais: deu-nos novamente a força de crer em Cristo, porque Cristo é o Redentor do homem – Redemptor hominis: foi este o tema da sua primeira Encíclica e o fio condutor de todas as outras.

Karol Wojtyła subiu ao sólio de Pedro trazendo consigo a sua reflexão profunda sobre a confrontação entre o marxismo e o cristianismo, centrada no homem. A sua mensagem foi esta: o homem é o caminho da Igreja, e Cristo é o caminho do homem. Com esta mensagem, que é a grande herança do Concílio Vaticano II e do seu «timoneiro» – o Servo de Deus Papa Paulo VI –, João Paulo II foi o guia do Povo de Deus ao cruzar o limiar do Terceiro Milénio, que ele pôde, justamente graças a Cristo, chamar «limiar da esperança». Na verdade, através do longo caminho de preparação para o Grande Jubileu, ele conferiu ao cristianismo uma renovada orientação para o futuro, o futuro de Deus, que é transcendente relativamente à história, mas incide na história. Aquela carga de esperança que de certo modo fora cedida ao marxismo e à ideologia do progresso, João Paulo II legitimamente reivindicou-a para o cristianismo, restituindo-lhe a fisionomia autêntica da esperança, que se deve viver na história com um espírito de «advento», numa existência pessoal e comunitária orientada para Cristo, plenitude do homem e realização das suas expectativas de justiça e de paz.

Por fim, quero agradecer a Deus também a experiência de colaboração pessoal que me concedeu ter longamente com o Beato Papa João Paulo II. Se antes já tinha tido possibilidades de o conhecer e estimar, desde 1982, quando me chamou a Roma como Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, pude durante 23 anos permanecer junto dele crescendo sempre mais a minha veneração pela sua pessoa. O meu serviço foi sustentado pela sua profundidade espiritual, pela riqueza das suas intuições. Sempre me impressionou e edificou o exemplo da sua oração: entranhava-se no encontro com Deus, inclusive no meio das mais variadas incumbências do seu ministério. E, depois, impressionou-me o seu testemunho no sofrimento: pouco a pouco o Senhor foi-o despojando de tudo, mas permaneceu sempre uma «rocha», como Cristo o quis. A sua humildade profunda, enraizada na união íntima com Cristo, permitiu-lhe continuar a guiar a Igreja e a dar ao mundo uma mensagem ainda mais eloquente, justamente no período em que as forças físicas definhavam. Assim, realizou de maneira extraordinária a vocação de todo o sacerdote e bispo: tornar-se um só com aquele Jesus que diariamente recebe e oferece na Igreja.

Feliz és tu, amado Papa João Paulo II, porque acreditaste! Continua do Céu – nós te pedimos – a sustentar a fé do Povo de Deus. Muitas vezes, do Palácio, tu nos abençoaste nesta Praça! Hoje nós te pedimos: Santo Padre, abençoa-nos! Amen.

domingo, 1 de maio de 2011